Início Arquivo

Chineses compram Aquascutum

A marca de vestuário de luxo Aquascutum foi vendida ao retalhista de moda chinês YGM Trading – dias depois da Weetabix ter ficado nas mãos de outra empresa chinesa. A marca de 161 anos que vestiu a Rainha de Inglaterra e Winston Churchill mudou de mãos por 15 milhões de libras (18,67 milhões de euros), tornando esta a segunda aquisição de uma marca britânica por uma empresa chinesa no espaço de um mês. A venda surge numa altura em que investidores ricos da China estão a comprar empresas europeias com a região a ser afetada pela crise da dívida soberana e estagnação económica. As valorizações em baixa do mercado de valores e a falta de capacidade de fechar negócios entre os potenciais compradores mais perto de casa deram aos compradores chineses uma arena de bons negócios dentro da União Europeia. A YGM considera a aquisição da Aquascutum benéfica, tendo em conta o «substancial» potencial do futuro desenvolvimento da Aquascutum. A nova proprietária planeia melhorar a comercialização da marca no seu mercado interno e nos mercados em desenvolvimento. Em 1998, a YGM foi escolhida como licenciada, produtora autorizada e distribuidora exclusiva para a China continental, Singapura e Malásia. Subsequentemente, em 2009, a YGM adquiriu os direitos de propriedade intelectual da Aquascutum para a maior parte dos territórios asiáticos. A YGM, listada na Bolsa de Valores de Hong Kong, também distribui vestuário de homem e senhora sob marcas como Michel René, Guy Larcohe, Charles Jourdan, Ashworth e J.Lindeberg. O governo chinês revelou que quer que as empresas do país adquiram marcas de topo como um atalho para o sucesso mundial. A Bright Food, detida pelo Estado, acordou no dia 3 de maio comprar uma quota de controlo na Weetabix, a produtora de cereais de pequeno-almoço com 80 anos. Outras aquisições de alto perfil incluem o negócio do produtor de maquinaria Shandong Heavy Industry Group para comprar a produtora italiana de barcos de luxo Ferretti. Fundada pelo alfaiate John Emary em 1851, a Aquascutum chegou à fama antes da publicidade com celebridades se ter tornado mainstream, ajudada pela sua longa associação com a família real britânica. Após o Rei Eduardo VII ter comprado o primeiro casaco Aquascutum em 1897, as gabardines elegantes e caras tornaram-se populares entre os aristocratas, líderes políticos e estrelas de cinema. Estrelas como Humphrey Bogart foram muitas vezes vistas a usar a icónica marca. Mas nos últimos anos, a Aquascutum tem enfrentado dificuldades, registando prejuízos financeiros e estado perto da bancarrota, enquanto empresas britânicas de luxo maiores como a Burberry e a Mulberry se tornaram marcas mundiais. A Aquascutum atraiu o interesse inicial de 70 empresas em todo o mundo quando entrou em administração a 17 de abril mas a administração, que ficou a cargo da FRP Advisory, entrou em negociações exclusivas com a YGM a 2 de maio. O administrador conjunto Geoff Rowley, da FRP Advisory, afirmou que a administração está «muito satisfeita por anunciar a venda da Aquascutum, salvaguardando os postos de trabalho de mais de 100 funcionários e a presença da icónica marca Aquascutum no Reino Unido. Esperamos que sob os novos donos a marca e o negócio da Aquascutum tenha a melhor oportunidade de sucesso e crescimento tanto no Reino Unido como em todo o mundo».