Início Notícias Marcas

Chiuri nos corredores da Dior

Depois de vários meses de especulação, desfiles nas mãos de uma equipa de design interina e de uma considerável lista de possíveis candidatos, Maria Grazia Chiuri, atual diretora criativa da casa Valentino ao lado de Pierpaolo Piccioli, foi descoberta pela Reuters como sucessora de Raf Simons.

A Christian Dior deverá fazer o anúncio oficial depois do desfile de alta-costura da casa no início de julho, de acordo com a agência Reuters, que cita duas fontes próximas do processo para fundamentar a informação divulgada na quinta-feira, 23 de junho.

Maria Grazia Chiuri será assim a primeira diretora criativa na história de 70 anos da Dior, que sempre teve o seu leme criativo nas mãos de designers como Yves Saint Laurent, Gianfranco Ferré, John Galliano e, até outubro de 2015, Raf Simons (ver Adeus, Simons).

Nos últimos oito meses – o anúncio que indicava Chiuri como sucessora de Raf Simons chegou precisamente oito meses depois da confirmação da saída do designer – vários foram os nomes apontados como possíveis substitutos do designer belga, Alber Elbaz, Hedi Slimani e, claro, Chiuri foram os que reuniram mais consenso (ver Em busca do candidato perfeito).

«Será anunciado depois do desfile de alta-costura», afirmou uma das fontes à agência noticiosa. A casa Dior não se mostrou, até ao momento, disponível para comentar o assunto.

Maria Grazia Chiuri juntar-se-á à Dior num momento particularmente difícil.  O crescimento das vendas de moda da marca caiu no passado ano e meio, passando dos dois dígitos para a estagnação no primeiro trimestre deste ano.

A casa francesa atribuiu os maus resultados à desaceleração do mercado de luxo, mas alguns especialistas da indústria têm sugerido que a Dior poderá estar a enfrentar alguns problemas de “desejabilidade”.

Detida pelo conglomerado de luxo LVMH, a Dior realiza em torno de 5 mil milhões de euros em vendas anuais, dos quais mais de três quintos vêm de perfumes e cosméticos.

Já Maria Grazia Chiuri conseguiu maravilhas na casa Valentino, ao lado do seu parceiro de design Pierpaolo Piccioli.

Vindos da secção de acessórios, os dois assumiram o comando criativo da Valentino há oito anos. Além da alta-costura, a dupla supervisiona as coleções de pronto-a-vestir masculino e feminino e os acessórios e o seu mandato tem destacado para os cofres da marca um sucesso sem precedentes: no ano passado, a Valentino, que foi adquirida pelo grupo Mayhoola for Investments do Qatar em 2012, gerou mais de mil milhões de dólares em receitas (aproximadamente 882 milhões de euros).

Os designers também introduziram uma vibração “punk” ao vocabulário da casa italiana; o adorno metálico Rockstud, por exemplo, aparece agora em bolsas, sapatos, pulseiras, faixas de cabelo e porta-chaves e, ainda em maio, Chiuri e Piccioli apresentaram a coleção “Rockstud Untitled”, que inaugurou a nova era dos básicos (ver O lado B dos básicos).

Na Dior, o design tem estado nas mãos da equipa interina, coordenada por Serge Ruffieux e Lucie Meier. A dupla já supervisionou as coleções de alta-costura (primavera), pre-fall, outono-inverno 2016/2017 e resort 2017, apresentada no Blenheim Palace, em Londres, a 31 de maio (ver O sangue azul da Dior).

O desfile de alta-costura da casa francesa está agendado para 4 de julho.