Início Arquivo

Ciba vai produzir mais corantes na Ásia

A Ciba, importante produtor de corantes e produtos auxiliares para a indústria têxtil, anunciou uma baixa de 9% nos seus resultados líquidos (207 milhões de euros). Já em 2003, a empresa química tinha registado uma quebra de 15%. No entanto, o volume de negócios cresceu 6% (4,68 mil milhões de euros), um aumento explicado em grande parte pelas novas aquisições. Fora as aquisições, as vendas permanecem estáveis.

A Ciba está actualmente implicada num vasto programa de reestruturação, que se traduz em numerosos custos excepcionais. Se estes não fossem levados em conta, os benefícios líquidos do grupo teriam aumentado de 10%.

Esta reestruturação envolve particularmente a divisão têxtil. O plano prevê uma racionalização da produção europeia (nomeadamente de corantes), assim como maior deslocalização das unidades de produção para a Ásia, já que é para esta região que se deslocou o mercado têxtil mundial. Este reposicionamento deverá traduzir-se numa supressão de 400 postos de trabalho.

Em 2004, as vendas da divisão têxtil da Ciba caíram 7%. No entanto, na China, o crescimento das vendas foi significativo, assim como na Turquia e na Índia. Mas, globalmente, é no sector dos corantes têxteis – caracterizado por uma diminuição dos preços e dos volumes vendidos – que o grupo encontrou as maiores dificuldades. Segundo a empresa, as margens da divisão foram especialmente afectadas no quarto trimestre pela fraca procura, pois muitos clientes estavam expectantes face à liberalização do mercado têxtil mundial a 1 de Janeiro de 2005. Em geral, as margens do sector são actualmente baixas. Para obter uma maior rentabilidade, a Ciba está a desenvolver um programa de extensão das suas unidades de produção na Ásia. O objectivo é que a repartição das fábricas a nível mundial seja similar à repartição das vendas.

A Ciba dispõe actualmente de 2 fábricas na China, em Qing Dão, onde são fabricados os corantes para a lã e o poliéster, e Panyu, onde são produzidos diferentes produtos químicos destinados aos têxteis. O grupo possui ainda unidades de produção de corantes na Tailândia e na Índia, assim como uma fábrica de produtos químicos na Indonésia.

O grupo químico investiu recentemente na sua unidade na Tailândia, com vista a aumentar a sua capacidade de produção, e ampliou também a sua unidade chinesa de Panyu. Todos os próximos aumentos de capacidade do grupo químico terão lugar na Ásia.