Início Arquivo

CISMA: Mostra de tecnologia para a China – Parte 2

Para todos os produtores de tecnologia de vestuário, a China é inquestionavelmente o mercado com maior potencial a nível mundial. Na realidade, 5 por cento de todos os negócios globais da Assyst têm presentemente origem na China, prevendo-se que esta percentagem chegue aos 15-20 por cento nos próximos cinco anos. Para assegurar este crescimento, tal como os outros fornecedores de tecnologia avançada, a Assyst tem de se adaptar às necessidades específicas dos produtores chineses oferecendo uma tecnologia menos sofisticada e mais acessível. Os produtos estão a ser adaptados retirando os extras, usando componentes mais baratos e abastecendo-se no país alvo.

Para colmatar a falta de formação qualificada chinesa no que diz respeito ao estilo europeu de gradação e corte dos padões, a Assyst tem vindo a trabalhar com a Universidade de Xangai com o objectivo de desenvolver um sistema CAD mais automatizado. O resultante smart.pattern é um produto de software personalizado a um preço muito acessível.

No smart.pattern muitas das funções elementares que normalmente seriam realizadas de forma sequencial para criar um forro ou um colarinho, por exemplo, são combinadas e armazenadas como operação tais como ‘criar uma risca’ ou ‘acrescentar uma costura a determinada peça’. Os comandos macros podem ser combinados para criar uma operação de CAD automática de qualquer comprimento ou complexidade.

De acordo com a Assyst, 20 a 80 por cento das tarefas CAD no desenho de padrões e a gradação são repetitivas e especialmente indicadas para a automatização usando o smart.pattern. A empresa afirma que as poupanças em termos de tempo podem ultrapassar os 98 por cento. A utilização de macros com sequências funcionais previamente gravadas assegura que todas as etapas do trabalho são executadas de uma forma uniforme respeitando assim as normas CAD operacionais da empresa. Cerca de 250 macros e módulos já estão disponíveis e a Assyst vai continuar a criar novos macros para os utilizadores de acordo com as exigências individuais. No futuro, contudo, estarão disponíveis novos macros para download via Internet no portal da Assyst.

Sistema CAD simplificado

A Gerber Technology tem mais de 1.800 clientes operando mais de 8.000 postos de trabalho na China, Hong Kong, Taiwan e Macau. A Gerber simplificou pela primeira vez o seu sistema de CAD em 2002 tendo como alvo o mercado chinês, criando para o efeito o Accumark AE.

No ano de 2004 lançou os seus primeiros produtos de hardware produzidos na China: os plotters Infinity AE e AE 11. Actualmente, o sistema de corte XLC700, o primeiro sistema deste género a ser desenvolvido em conjunto pelos EUA e a China e produzido neste último país, está a gora disponível juntamente com a máquina de estender XLS50, desenvolvida na Dinamarca e totalmente produzida na China pela Gerber.

A empresa pretende alargar a panóplia de produtos desenvolvida para a China e produzida neste país. A produção tem lugar na subsidiária totalmente propriedade da Gerber, Gerber Scientific (Xangai) Co Ltd, com componentes locais e também originários dos EUA.

A nova máquina da Gerber XLS50 consegue estender tecidos ou malhas tanto de rolos como de peças dobradas. Um estendimento preciso e consistente em termos de comprimento, assim como um alinhamento eficaz das extremidades do tecido ocupando toda a superfície da máquina ajudam a reduzir as perdas, optimizando a utilização do material.

O sistema de corte da Gerber XLC7000 junta a máquina de estender XLS50 nesta nova classe de produtos desenhados para produtores de vestuário que se iniciam agora na automatização. O XLC7000 corta até 7 cm de material comprimido em larguras que podem chegar aos 2 metros. O sistema de vácuo variável mantém os materiais no lugar durante o processo de corte, resultando em peças perfeita e precisamente cortadas.

O Knife Intelligence da Gerber também mantém a precisão desde o início até ao fim do material conseguindo identificar e compensar algum desvio da faca causado por materiais de corte difícil ou estendidas volumosas.

Hardware personalizado

A Lectra está igualmente a procurar produzir hardware na China adaptado ao mercado local, apesar de até ao momento a empresa manter os seus planos confidenciais . Pacotes de CAD com menos funções e mais económicos podem estar disponíveis a qualquer momento.

A Lectra já tem uma máquina de estender especifica para o mercado chinês: a KW71-KW83, da Oshima. Este sistema versátil pode ser utilizado numa só face do tecido ou malha ou em ambas, e é apropriado para produtores que produzem uma grande variedade de peças de vestuário.

Igualmente novo, mas dirigido a um mercado mais global, é o sistema de corte Vector Fashion MP9 capaz de cortar 9 cm de materiais comprimidos. Especializado no corte de peças volumosas de vestuário de malha circular é o mais indicado para as necessidades de planeamento de produção e as restrições da produção personalizada.

Parcerias de alta tecnologia

O centro de CAD/CAM da PGM localizado no Sul da Califórnia, consiste numa cadeia global de institutos de alta tecnologia especializados em soluções de CAD/CAM. A PGM estabeleceu delegações e parcerias co-operacionais em mais de 20 países em todo o mundo.

A PGM chegou a Xangai no início dos anos 90 cooperando com a Universidade Têxtil da China (actualmente Universidade Donghua) para oferecer uma linha completa de soluções CAD às empresas têxteis e de vestuário do país. Existem delegações da PGM em Xangai, Guangzhou, Pequim, Xiamen e Qingdao, afirmando esta ter uma fatia de 35 por cento do mercado de CAD da China.

O seu mais recente desenvolvimento é o plotter Superjet 300 dpi com uma produção elevada (140 metros quadrados/hora com quatro cabeças de impressão e 70 metros quadrados/hora com duas cabeças de impressão a 180 dpi), velocidade constante de desenho, alta definição e escolha de larguras do desenho. 

A IMA, de Itália, desenvolveu recentemente um novo sistema de CAD para integrar na sua oferta global da sala de corte. A característica que distingue este equipamento é a opção de decidir o padrão directamente no ecrã.

A Genius Digi Pen, da IMA, substituiu as mesas de digitalizar mais convencionais com uma caneta Logitech mais prática e mais acessível –Personal Digital Pen. Para além da caneta, o kit inclui papel transparente especial e software de aplicação que gere os dados introduzidos através da caneta.

O Fly da IMA, modelo 865.13, foi desenhado especialmente para o mercado do Médio Oriente. É totalmente automático e equipado com um ecrã sensível ao toque, multilingue e capaz de controlar todas as funções de estender. Pode estender com ou sem pinças a 100 metros por minuto e opera um sistema automático de paragem.

Entrar no mercado

A empresa brasileira Audaces está a tentar entrar no mercado chinês e afirma ter mais clientes na América do Sul do que qualquer outra empresa de CAD. Os seus produtos abrangem a criação de design, desenvolvimento do padrão, gradação, marcação automática e desenvolvimento técnico do produto com uma opção personalizada.

O método de digitalização difere da grande maioria dos sistemas. Usando uma câmara digital digiflash a empresa afirma que um conjunto de padrões pode ser digitalizado simultaneamente, rápida e facilmente, com a detecção automática dos contornos dos padrões e pontos de controlo e correcção automática de qualquer desvio causado pela perspectiva ou pela lente usando técnicas artificialmente inteligentes.