Início Destaques

Coltec tem nova casa

O investimento numa nova unidade de produção está quase concluído para a empresa especialista em laminagem e revestimento de tecidos sediada em Guimarães.

Paulo Neves e Maria Ribeiro

A Coltec está a caminho de uma nova casa. Segundo adiantou ao Portugal Têxtil Paulo Neves – a segunda geração da empresa fundada pelo homónimo progenitor –, durante a edição do Modtissimo, que decorreu em fevereiro último.

«O grupo tem expectativas [para o futuro próximo] uma vez que estamos numa fase de transição interna em termos logísticos, vamos ter uma mudança de instalações e temos também algumas novidades de possibilidades de variação e aplicações diferentes de produtos» explicou o jovem Paulo Neves. No total, o investimento atingiu os 3,5 milhões de euros neste projeto.

A empresa tem como principais mercados os países da Europa Central e começou a laborar em 1981. «Estamos sedeados em Guimarães e o nosso principal mercado foi o calçado, no início. Ao longo dos anos fomos adquirindo maquinaria para indústria que hoje em dia nos permite outras áreas de atuação, como confeção de têxteis-lar e vestuário» apontou o responsável pela área comercial. Este último segmento é o que mais pesa nas exportações da especialista em laminagem e revestimento de tecidos.

A Coltec exporta cerca de 40% da sua produção, revelou Paulo Neves, e no último exercício fiscal registou um volume de negócios na ordem dos 5,3 milhões de euros.

A produtora de tecidos laminados e revestidos tem apostado numa gama de produtos com mais-valias. Em entrevista ao Portugal Têxtil no ano passado, o CEO Paulo Neves afirmou que a Coltec está «a trabalhar com empresas que fazem produtos mais avançados – gabardinas, roupa militar, vestuário para hipismo, ou seja, peças com valor acrescentado – e tudo isto foi possível com as novas tecnologias que temos» (ver Coltec aposta alto na tecnomoda).

O motor da estratégia de internacionalização da Coltec tem sido a Techtextil, a feira de têxteis técnicos e não tecidos que decorre bienalmente, sob a chancela da Messe Frankfurt, onde marca presença há mais de uma década. No entanto, a participação no Modtissimo, onde é expositor habitual há igual período de tempo, permite não só chegar aos clientes aquém-fronteiras, mas também além-fronteiras. «Já estou aqui nesta feira há sete anos, mas é mais ou menos semelhante o fluxo de gente. A nível de contactos estrangeiros tivemos espanhóis e franceses», indicou a comercial da Coltec, Maria Ribeiro. «Os visitantes estavam mais à procura de têxteis-lar», acrescentou.