Início Arquivo

Construir uma marca de futuro

A Wrong Design & Publishing é um gabinete que agrega um grupo de designers, além de profissionais ligados aos média e às artes, que cobre todas as áreas do design, incluindo os “new media” e os media tradicionais. Segundo fonte da empresa, o trabalho da Wrong Design & Publishing «baseia-se em sólidas bases conceptuais. O ponto de partida das nossas propostas é o conteúdo, em vez de ser o problema, atingindo resultados visuais e textuais diferentes». A este processo criativo chamam Wrongdesign. A empresa está dividida em duas áreas fundamentais: a Wrongdesign, que trabalha no design gráfico e de produto, e a Wrong Projects, uma nova plataforma que reflecte questões associadas ao design, arte e economia, e traduz-se por conferências, publicações e eventos artísticos.

Assim, a empresa vai organizar a conferência “Branding: Marcas e Consumidores do Futuro” nos dias 2 e 3 de Junho 2006, no Edifício Multimeios, em Espinho. O projecto de conceber e organizar esta conferência, inscreve-se num conjunto de necessidades sentidas durante o processo de trabalho da Wrong Design & Publishing, e pretende ser, sobretudo, um espaço de debate e reflexão, no qual os participantes possam construir novas perspectivas acerca do processo de construção da marca, da marca e inovação, da marca e desenvolvimento económico, do comportamento perante a marca e da avaliação da marca. Pretende igualmente a divulgação de experiências nacionais de sucesso no âmbito da marca.

A conferência destina-se a empresários, associações empresariais, professores universitários, publicitários, marketers, estudantes universitários, responsáveis do poder político local, responsáveis turísticos, entre outros. O painel de oradores estrangeiros é bastante eclético. Mark Hurst, norte-americano, é considerado uma das 1000 pessoas mais criativas dos Estados Unidos. É fundador e anfitrião da Gel Conference (Good Experience Live) em Nova York e que terá também lugar, pela primeira vez, na Dinamarca. Mark Hurst é também conhecido por fundar a Creative Good, a primeira empresa de consultoria do mundo de “user experience”.

Wendy Schultz, inglesa, é professora na Universidade de Houston, em universidades da Finlândia e do Hawai, e vive actualmente em Oxford onde trabalha com um grupo de futuristas de negócios e interventores na comunidade, os quais reflectem sobre a previsão de novos recursos para empresas, governos e comunidades. Está também a trabalhar com a International Space University. Ir-se-á debruçar sobre as questões da mudança emergente e como esta mudança pode influenciar o tipo de produtos que possamos ter e de como inovamos concebendo esses produtos. Finalmente, Martin Raymond, também inglês, edita a revista View Point e é o autor de “The Tomorrow People: Future consumers and how to read them today”. Fundou The Future Laboratory, que é uma agência sobre branding. Irá abordar a perspectiva do consumidor. De acordo com Raymond, os consumidores estão a ficar mais emocionais, irracionais e de difícil targeting. O autor identifica técnicas e tecnologias novas e emergentes que permitem ganhar melhores perspectivas sobre o consumidor do século XXI.

A apresentação também reflectirá a abordagem mais tradicional de pesquisa de mercado e analisará as suas limitações na previsão das necessidades do mercado, e o que isto significa para as marcas. Quanto aos oradores nacionais eles são: Edson Athayde, da Ogilve, Paulo de Lencastre; Ana Corte Real Beirão e Joana César Machado, da Universidade Católica, Mário São Vicente do BCP, Paulo Pereira da Silva, da Renova, um representante da Brandia, um representante da Galp, e ainda um representante do Ministério da Economia e da Inovação e do ICEP. O moderador será Ângelo Correia.

Quanto ao conteúdo das participações dos oradores, estas tratarão de estudos de caso, que traduzirão as experiências obtidas no processo de construção da marca. As restantes participações terão a sua base em processos mais teóricos sobre como construir uma marca, a importância da marca e sobre a marca Portugal.