Início Notícias Marcas

Consumo sem moderação

A H&M registou um crescimento de vendas superior ao esperado durante o mês de maio. As vendas do gigante sueco, que tem no mercado europeu o seu principal foco de atividade, subiram 10% em moeda local, superando a previsão de 8% inicialmente apontada pelos analistas.

As vendas do segundo trimestre fixaram-se em 4,98 mil milhões de euros, um aumento de 21% face ao ano anterior, superando a previsão de 5,17 mil milhões de euros. O mercado alemão, o de maior dimensão para a H&M, reportou uma redução de 5% das vendas globais de vestuário em maio.

A empresa afirmou que a desvalorização da coroa sueca face à maioria das moedas de venda teve um significativo efeito positivo sobre as vendas obtidas. Incluindo impostos, as vendas de valor agregado cresceram 10% em moeda local e até 20% em coroas suecas. Lars Soderfjall, analista do Banco de Ålands, adiantou que estes resultados são um sinal positivo, antecipando o relatório trimestral a publicar pela H&M a 25 de junho. «Novos conceitos e o comércio online, provavelmente, contribuem cada vez mais para um crescimento orgânico.

As ações da H&M devem superar o mercado hoje [15 de junho]», referiu As ações da H&M subiram 0,7% para 36 euros, conquistando o melhor desempenho do Índice Blue-Chip Estocolmo, que caiu 0,9%. O principal rival da empresa sueca, o grupo espanhol Inditex, anunciou recentemente lucros superiores ao esperado no trimestre fiscal concluído em abril, cuja prestação foi estimulada pela recuperação da confiança do consumidor europeu (Inditex supera expectativas).

Os produtos da H&M, ao contrário daqueles do grupo Inditex, são na sua maioria provenientes do mercado asiático, sendo adquiridos em dólares, pelo que os custos de aprovisionamento deverão aumentar este trimestre. As ações da H&M subiram 1% no decorrer deste ano, ficando aquém do desempenho da espanhola Inditex. A empresa sueca advertiu para os efeitos negativos do calendário, que diminuíram as vendas no mês de maio em cerca de 3%, afetando as vendas trimestrais em 2 pontos percentuais.