Início Notícias Têxtil

Contextile 2022 acolhe 34 países em Guimarães

A sexta edição da bienal Contextile, que vai decorrer entre 3 de setembro e 30 de outubro em Guimarães, contará com a presença de 50 artistas, num total de 54 obras, provenientes de 34 países. Cerca de 1.250 artistas propuseram trabalhos artísticos ao concurso da exposição têxtil internacional.

[©Contextile]

Foi uma tarefa difícil a do júri da Contextile 2022 – Bienal de Arte Têxtil Contemporânea, que recebeu propostas de 1.505 obras de 1.250 artistas oriundos de 74 países. «A quantidade e qualidade das obras dificultou a tarefa do corpo de júri, uma equipa multidisciplinar composta por Lala de Dios (professora de História de Arte e curadora), Janis Jefferies (professora emérita de artes visuais, curadora, escritora e artista), Orenzio Santi (professor e artista têxtil), Monika Grasiene (artista, curadora e professora de arte têxtil) e Cláudia Melo (diretora artística da Contextile)», afirma em comunicado.

Depois de ter reunido presencialmente nos dias 7, 8 e 9 de abril em Guimarães, o júri selecionou 57 obras de 50 artistas originários de 34 países, de acordo com os critérios do regulamento da convocatória – alta criatividade, originalidade e competência técnica em torno do elemento têxtil, construção, tema, conceito ou material utilizado –, assim como o conceito da Contextile 2022: “Re-make”.

A mostra de arte têxtil mantém a lógica habitual, com 50 obras de 50 artistas. No entanto, este ano foram também selecionadas cinco intervenções artísticas, de outros tantos artistas, para serem apresentadas em espaços públicos durante a sexta edição da bienal.

O prémio de aquisição e as menções honrosas da exposição internacional serão atribuídos no momento de abertura do evento, agendada para 3 de setembro, em Guimarães.

A exposição internacional prolonga-se até 30 de outubro e contará, além das obras selecionadas pelo júri, com um programa que integrará os resultados de processos de criação a partir do território e ainda talks e workshops. Esta edição coincide com o 10.º aniversário da Contextile e, segundo a organização, terá um programa reforçado que a anunciar proximamente.

Ocorrida em 2020, a última Bienal encontrou equilíbrio entre o físico e o digital, devido à pandemia mundial. A primeira menção honrosa foi entregue a Monika Žaltauskaitė Grašienė da Lituânia e a segunda viajou até França pelas mãos de Aurélia Jaubert.

[©Contextile]