Início Arquivo

Décathlon investe na China

A cadeia francesa de vestuário desportivo Décathlon vai investir no mercado chinês, tendo já iniciado esta estratégia com uma inauguração em Xangai no final do ano passado, apresentando pela primeira vez naquele país opções para 60 modalidades desportivas e promoções nas suas marcas próprias, a preços significativamente mais baixos que os restantes produtos, com uma área que ocupa 80% da loja, contra os habituais 55% das restantes lojas dogrupo. A empresa francesa fabrica 47% das suas marcas próprias – Quechua, Tribord e Kipsta – na Ásia, 46% na zona euro-mediterrânica – França, Espanha, Itália, Portugal, Polónia, Roménia e Marrocos – e o restante nas Maurícias, Madagáscar ou no México. «Noventa por cento da malhacasual é feita na China, e os materiais sintéticos são importados da Coreia, do Japão e de Taiwan», adianta o director de produção da empresa. Na opinião deste engenheiro, depois da eliminação das quotas em 2005, a China passará a ser rapidamente responsável pela produção de cinquenta por cento das marcas de vestuário. Depois de um percurso de grande prosperidade na década de 90, a Décathlon já está há três anos a seguir um plano de reestruturação, sobretudo no decréscimo dos prazos de entrega, enfrentando algumas dificuldades económicas. A cadeia de vestuário fechou 14 das 18 lojas que detinha nos Estados Unidos da América, representando a eliminação de 350 postos de trabalho. A empresa justifica a medida pela ausência do retorno financeiro esperado depois de quatro anos de actividade naquele mercado. De qualquer forma, a expansão da marca francesa ainda se fez notar em 2003, com mais 18 lojas a nível mundial, entre as quais seis em França, quatro em Itália e três em Espanha. Para este ano a empresa vai continuar a internacionalização, estando prevista a primeira inauguração de uma loja Décathlon em Portugal na cidade do Porto.