Início Notícias Moda

Designers europeus à descoberta da ITV lusa

Recém-chegados a Portugal, eleito Melhor Destino Turístico do Mundo, os 33 candidatos de 14 escolas de moda que por estes dias participam na Fashion Design Competition, organizada pelo CENIT, iniciaram hoje o conta-quilómetros com as visitas à Calvelex e à Polopique.

Acompanhados até quarta-feira, 13 de dezembro, por um grupo de jornalistas internacionais e respetivos professores, os jovens designers de escolas de moda de países como Portugal, Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Itália e Reino Unido trouxeram as bagagens a transbordar de expectativas, não só para a edição do concurso europeu, como também para a viagem pela indústria têxtil nacional.

Integradas no evento Porto.ModaPortugal – que recebe, em paralelo, a conferência Design & Sourcing in Europe (ver IFM no Porto para falar de sourcing) e a mostra de marcas nacionais Showcase ModaPortugal –, as visitas às empresas iniciaram-se hoje de manhã, na Calvelex, onde foram recebidos por Marco e César Araújo, representantes da 3.ª geração da empresa de base de familiar.

Os diferentes departamentos de uma das maiores produtoras nacionais de vestuário foram transformados em salas de aula por alunos cheios de perguntas e professores que tiraram notas.

«Os meus alunos só têm este tipo de experiência no estágio, por isso, esta iniciativa é muito importante para eles», afirmou Pierre Daras, professor da escola belga La Cambre, enquanto observava atentamente o trabalho meticuloso das costureiras da Calvelex.

Expedindo atualmente um milhão de peças de vestuário de senhora para 40 mercados, a Calvelex surpreendeu pela qualidade os jovens designers em visita guiada às valências da empresa.

«Estou espantado com a alta qualidade e com as ótimas condições de trabalho», revelou o jovem designer Clément Grangier, aluno da mesma instituição de ensino.

No final da visita à produtora de vestuário, que começou com 20 colaboradores e garante atualmente 700 postos de trabalho, o administrador César Araújo fez uma breve revisão da matéria – entre a arte, a história e a geografia.

«Passar de um tecido a uma peça de vestuário é arte», sublinhou, destacando ainda a cadeia de aprovisionamento nacional e respetiva evolução nos últimos 20 anos e também a equipa de design da Calvelex, sediada em destinos como Londres, Dublin, Amesterdão e Nova Iorque.

«Os jovens designers são a semente, o garante do futuro da indústria», concluiu perante uma turma atenta e com vontade de regressar.

«Tenho o sonho de criar a minha marca e imagino-me a delegar o sourcing a Portugal, a uma empresa como esta», asseverou Beatrice Mason, jovem designer da Polimoda, Itália.

Empresas de portas abertas

O primeiro dia de visitas às empresas regressou à estrada em direção à Polopique, que abriu portas a mais uma fiação, desta feita vocacionada sobretudo para a produção de fios finos, mesclas e fios de cor.

«Não conhecia a indústria têxtil portuguesa, estou impressionada», exprimiu Beatrice Mason logo ao primeiro impacto.

À fiação juntaram-se a tecelagem, a tinturaria e a confeção, que adicionaram muitos, mas educativos passos ao dia do grupo de jovens criativos.

«A Polopique é uma empresa vertical, temos crescido quer a nível de automatismos, quer a nível de aumento de capacidade», explicou a diretora-geral Isabel Carneiro.

Com mais de 1.000 funcionários, um pavilhão com mais de 200 costureiras e 90% da produção dedicada ao grupo Inditex, a Polopique deu por encerrado o périplo pelas suas instalações com os passos e palavras de Rita Afonso, também ela um talento emergente no design de moda. Um dos rostos do departamento de desenvolvimento do grupo, a jovem criadora foi a vencedora da primeira corrida ao prémio The Feeting Room do concurso Sangue Novo da ModaLisboa e mostrou aos jovens designers europeus como colocar a teoria em prática.

«A importância de abrirmos as portas a estes jovens designers é a de levar um pouco de Portugal lá para fora. Portugal tem crescido muito e têm-se feito muitos investimentos na indústria têxtil, mas precisamos de projeção para o exterior e todos os vínculos são importantes», destacou Isabel Carneiro no momento da despedida.

Amanhã, terça-feira, será dedicado à avaliação das coleções dos 33 designers a concurso pelo júri internacional e ao desfile final, que culminará com a entrega dos prémios aos vencedores, por país e final, tanto para o vestuário como para o calçado (ver Porto ergue pontes para o talento europeu).

Na quarta-feira, a comitiva regressa à estrada para explorar os universos da estamparia na Adalberto e da tricotagem na Crispim Abreu.