Início Arquivo

Dificuldades na fusão Lenzing-Tencel

A Lenzing chegou finalmente a acordo com as autoridades anti-trust para uma nova proposta de aquisição da Tencel, o seu antigo rival no domínio do Lyocell. A empresa austríaca espera agora uma aprovação rápida da fusão de ambas as empresas.

No passado mês de Fevereiro, o Supremo Tribunal da Áustria confirmou a decisão emitida, em 28 de Outubro de 2004, pela autoridade anti-trust de impedir o negócio. No entanto, durante este tempo, a Lenzing manteve conversações com a autoridade anti-trust sobre as condições e limitações que revestiam as preocupações desta última. A empresa assegura agora que foi possível chegar a um acordo e um novo requerimento foi preenchido.

O novo requerimento atesta que a fábrica de Heiligenkreuz, que emprega 180 pessoas, manterá o seu efectivo durante os próximos 6 anos, assim como o compromisso do grupo em não deslocalizar as suas actividades de investigação e desenvolvimento para fora da Áustria. Estas garantias deverão ser suficientes para pender a balança em favor da fusão. Segundo a própria empresa, a forma como a lei está redigida permite que, mesmo que o tribunal acredite que possa haver um impacto negativo no mercado, os benefícios advindos para a economia austríaca possam conduzir a uma decisão favorável ao negócio. A Lenzing declara que não havia razão para recusar o primeiro requerimento, mas que ofereceu estas garantias para finalizar o processo.

Este imbróglio jurídico não impediu a empresa austríaca de integrar a Tencel nas suas contas, assim como de decidir doravante a comercialização de todas as suas fibras de liocel sob a marca Tencel, cuja notoriedade é considerada superior. Esta integração permite, ao grupo, apresentar uma excelente performance: nos primeiros 9 meses de 2004, o seu volume de negócios cresceu 17%, atingindo os 527 milhões de euros.

A Tencel possui duas fábricas de liocel, nos EUA e no Reino Unido, com uma capacidade total de produção que ronda as 80 mil toneladas por ano. A Lenzing adquiriu a Tencel, em Maio de 2004, à subsidiária Corsadi do grupo financeiro CVC Capital.