Inflação ou expansão?

Nº 276 | Outubro 2022
Podem os números das exportações da ITV nos primeiros sete meses do ano, que apontam para novo recorde, serem resultado apenas da inflação? As empresas, como o grupo Diastêxtil – que detém a Modelmalhas e a Sonix –, mostram que, além dos preços, há também uma maior procura de têxteis e vestuário “made in Portugal”.
Download da capa do Jornal Têxtil exclusiva a assinantes
Para fazer download, inicie sessão ou assine já através do registo.



Apesar dos muitos desafios que a indústria têxtil e vestuário tem enfrentado em 2022, nomeadamente o aumento dos custos, sobretudo os relacionados com a energia e as matérias-primas, os números das exportações subiram mais de 17% nos primeiros sete meses deste ano em comparação com 2021, que foi um ano recorde no comércio internacional de têxteis e vestuário para as empresas portuguesas. Poderá este crescimento ser essencialmente resultado de um aumento dos preços? Tanto os números do INE como as empresas contactadas pelo Jornal Têxtil parecem apontar para um duplo efeito.

Solinhas, Albano Morgado, FS Confecções, António Manuel de Sousa, José Pinto Cardoso e Orfama, mas também a Lima & Companhia, a Sanmartin, a Texser, a Tricothius e a marca Cristina Barros, abrem as portas para a sua realidade, que tem sido feita de revisão de preços, investimentos para reduzir custos e aumento do valor acrescentado dos produtos que vendem, por vezes em simultâneo.

O mesmo acontece no grupo Diastêxtil, com Samuel Costa a dar conta de uma maior procura por parte dos clientes que só não terá um impacto mais positivo nos resultados operacionais por causa do aumento dos custos que as várias empresas do grupo – que inclui tricotagem, tinturaria, acabamentos e confeção – estão a sentir. Uma entrevista onde fala ainda da aposta na inovação dentro de portas, na energia solar e na crescente digitalização da empresa.

Nesta edição de outubro do Jornal Têxtil fique também a par de tudo o que se passou na 60.ª edição do Modtissimo, a maior de sempre do salão português, que contou com a apresentação do The Green Book, um livro publicado pela ATP - Associação Têxtil e Vestuário de Portugal sobre a sustentabilidade na indústria têxtil e vestuário, a versão revista e melhorada do Green Circle, organizado pelo CITEVE, e ainda as Talks by CITEVE que tiveram representantes da Riopele, da Adalberto, da Somelos, da Sonix e da ATB como protagonistas.

Saiba igualmente como a ERT está a desenvolver a inovação em diferentes áreas e como as feiras estão a recuperar do período da pandemia, com boas perspetivas para 2023, como revela, em entrevista, Cristina Terra Motta, representante da Messe Frankfurt em Portugal.

Não feche esta edição sem espreitar o barómetro da economia portuguesa, os números das exportações e a publirreportagem Fibras Dinâmicas, com propostas da Naia (Eastman) e da creora (Hyosung, que em Portugal é representada pela Dtexcom).

Se ainda não é assinante, não perca mais tempo e faça já a sua subscrição para garantir, todos os meses, em casa ou na empresa, o seu exemplar do Jornal Têxtil.