Mais cedo é melhor?

Nº 275 | Setembro 2022
As feiras de tecidos, como a Texworld e a Première Vision, onde esteve a Polopiqué, anteciparam as suas datas em resposta aos pedidos do mercado, mas nem todos os expositores saíram convencidos de que julho é melhor que setembro.
Download da capa do Jornal Têxtil exclusiva a assinantes
Para fazer download, inicie sessão ou assine já através do registo.



Há vários anos que as datas das feiras de tecidos têm sido tema de debate, com os expositores a pedirem uma antecipação para melhor responderem ao mercado. A pressão resultou e os organizadores de feiras como a Première Vision e a Texworld cederam e anteciparam de setembro para julho. Mas a tão desejada mudança acabou por não ser unânime, com as empresas portuguesas, como a Riopele, a assumirem que foi um erro.

Nesta edição de setembro do Jornal Têxtil, fazemos o balanço das duas feiras, incluindo a visita do Secretário de Estado da Economia à Première Vision e uma entrevista a Frédéric Bougeard, presidente da Messe Frankfurt France, que organiza a Texworld, e damos voz às empresas de tecidos que estiveram presentes nos dois certames parisienses. TMG Textiles, Paulo de Oliveira, Crispim Abreu, Somelos Tecidos, Adalberto e 6Dias Têxteis falam sobre os certames profissionais em que expuseram, mas também sobre os produtos, processos e investimentos que estão a implementar para fazer face aos desafios conjunturais, nomeadamente o energético.

Em entrevista, Luís Guimarães, presidente da Polopiqué, revela os projetos que estão na calha no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, incluindo duas fiações, e desvenda o investimento planeado numa tecnologia inovadora de produção de energia verde, da qual será a empresa pioneira em Portugal.

Ainda no campo das feiras, fique a par de tudo o que se passou nas muito aguardadas Techtextil e Texprocess, dedicadas aos têxteis técnicos e não-tecidos e ao processamento de materiais flexíveis, respetivamente. Não perca também as mais recentes novidades das empresas que estão embrenhadas nos têxteis técnicos, como a Coltec, a Artefita, a Trim NW, a Tiajo, a A. Sampaio e a Penteadora, sem esquecer a Fitexar, já uma referência aquém e além-fronteiras na produção de têxteis lineares fibrosos e filamentares.

Igualmente a montante da cadeia, saiba quais os planos de Maria de Belém Machado para as fiações Tearfil e SMBM e, no âmbito do enobrecimento, descubra como Susana Serrano, CEO da Acatel, está a armar a especialista em tingimento, estamparia e acabamentos do grupo Impetus para o futuro.

Já nos têxteis-lar, conheça as novas propostas da Marizé e da Lameirinho, assim como a novidade mundial que a Têxteis Penedo apresentou na recente edição especial da Heimtextil e que traz a inovação diretamente para o mercado.

Uma área onde a Impetus dá igualmente cartas, estando a lançar novos produtos no mercado da roupa interior que beneficiam diretamente dos projetos de inovação e desenvolvimento que a empresa concretizou nos últimos anos.

E porque os números são também relevantes para este sector, conheça os dados mais recentes para a economia e a indústria têxtil e vestuário, incluindo os do comércio externo e das matérias-primas.

Antes de fechar as 32 páginas desta edição do Jornal Têxtil, espreite a publirreportagem Transportes e Distribuição, com as soluções da Bowe e da Garland.

Uma edição repleta das notícias que tem mesmo de ler nesta rentrée. Se ainda não é assinante, aproveite o início deste novo ano de trabalho e faça a sua subscrição para garantir mensalmente o seu exemplar do Jornal Têxtil.