Marca própria: prós e contras

Nº 241 | Julho 2019
Chegar ao consumidor final e acrescentar valor ao produto são algumas das vantagens, mas os stocks elevados e as dificuldades de afirmação pesam na hora das empresas de têxteis-lar decidirem a sua estratégia, como revelaram durante a mais recente edição da Guimarães Home Fashion Week.
Download da capa do Jornal Têxtil exclusiva a assinantes
Para fazer download, inicie sessão ou assine já através do registo.



A marca própria parece ser o próximo passo para muitas empresas portuguesas de têxteis-lar, que têm pesado os prós e os contras de avançarem por esta via. Domingos de Sousa & Filhos, Têxteis DA, Bola D’Algodão, J. Pereira Fernandes, Finera, Têxteis Massal, Giestal, Isadora Paris e Comfort & Innovations são algumas das empresas e marcas que revelaram a sua visão ao Jornal Têxtil na Guimarães Home Fashion Week, que decorreu em junho e acolheu o maior número de compradores internacionais de sempre.

Entrevistamos Ricardo Relvas, administrador da Sorema – a empresa especialista em tapetes de banho que atualmente divide a sua atividade entre o private label e as suas próprias etiquetas –, que assume que é nas marcas próprias que está a crescer mais.

A prosperar está também a Polopique, que vai avançar para a instalação de uma fiação de linho, a Endutex, que antecipa um aumento de 5% este ano no volume de negócios, e a Idepa, que tem vindo a apostar nos artigos mais técnicos. Já a Carlom juntou as malhas 3D ao seu portefólio.

As marcas de vestuário estão igualmente a progredir e nesta edição de julho-agosto do Jornal Têxtil apresentamos três casos particulares: a Pureté, a insígnia dedicada à moda infantil da Madicor; a Nüwa, criada no seio da Confeções Calvi que aposta em matérias-primas recicladas; e a Baseville, que está a desenvolver o conceito de “sustainable shape”. Descubra ainda as marcas portuguesas direcionadas para os mais novos que estão a investir numa estratégia digital, com vendas online.

Na área da moda, saiba qual é o próximo passo do designer português Felipe Oliveira Baptista, que depois da Lacoste está novamente ao leme criativo de uma casa de moda internacional.

Antecipamos o que poderá encontrar nas próximas edições da feira de tecidos e acessórios Texworld e nos salões de vestuário Apparel Sourcing Paris e na Maroc in Mode, e apontamos algumas das principais conclusões e intervenções na 16.ª Cotec Innovation Summit, que contou, entre outros, com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

As páginas deste número do Jornal Têxtil preenchem-se com um estudo que mostra a direção que o vestuário à prova de fogo está a assumir, o novo centro de inovação promovido pela produtora italiana de tecidos Albini e com a lista dos 10 piores países para trabalhar.

Não parta para férias sem ver os números mais recentes do comércio externo nem sem espreitar o suplemento Créditos Assegurados, onde a Cesce e a IFC Broker revelam algumas soluções para segurar as suas vendas.

Informação relevante que pode levar para ler nas suas férias. Se ainda não é assinante, aproveite este período de férias para fazer a sua subscrição e garantir que o seu exemplar do Jornal Têxtil está à sua espera, em casa ou na empresa, quando regressar.