O mundo como casa

Nº 200 | NOVEMBRO 2015
As empresas portuguesas de têxteis-lar prosseguiram a sua expansão durante 2015, numa estratégia que contemplou a abertura de mais mercados, novos investimentos e uma aposta forte em inovação. Sem ficarem paradas, estão já a preparar as malas, e as coleções, para continuarem a surpreender o mundo no próximo ano.
Download da capa do Jornal Têxtil exclusiva a assinantes
Para fazer download, inicie sessão ou assine já através do registo.



Na edição de novembro do Jornal Têxtil, Alda Têxteis, Bomdia, Bovi, Fateba Pereira da Cunha, Irmãos M. Marques, J. F. Almeida, Piubele, Sampedro, Sorema, Têxteis Penedo e Villafelpos fazem o balanço do negócio dos últimos meses e revelam as novidades que vão marcar as suas novas coleções, a serem apresentadas ao mundo na próxima edição da Heimtextil, já em janeiro.

Em todo o mundo está já a Mundotêxtil, com o administrador Rogério Matos a desvendar, em entrevista, as oportunidades e as dificuldades em cada continente.

Focada igualmente na expansão internacional está a Pé de Chumbo, a marca fundada pela designer Alexandra Oliveira. Já a Decenio está, para já, centrada em crescer em Portugal, como revelou em entrevista Joaquim Brito, administrador da Têxtil Cães de Pedra, a empresa que comprou recentemente a marca, que tem já uma nova imagem e algumas novidades em carteira.

Novidades constantes fazem parte do ADN da Sonicarla, que procura estar sempre um passo à frente da concorrência, enquanto a Goucam e a empresa de produção de meias Manuel Fernando de Azevedo estão a aumentar a sua capacidade de produção para dar resposta à crescente procura internacional. O “made in Portugal”, de resto, continua a ganhar adeptos, como é o caso da marca espanhola Ada Gatti, que vai começar a produzir no nosso país.

As empresas produtoras e as marcas portuguesas estão também mais preparadas para fazer face à concorrência internacional. Quem o diz é Rodrigo Siza, diretor-geral da Lectra Portugal, que celebrou este mês 30 anos de atividade no nosso país e tem acompanhado a evolução tecnológica da indústria têxtil e vestuário, que continua a investir nas soluções mais inovadoras para aumentar a sua produtividade e capacidade de resposta.

Nesta edição do Jornal Têxtil conheça ainda os exemplos que vêm de fora, como o da fiação Luisa 1966 e das produtoras de tecido Vicunha e Serica de la Marca, assim como a situação atual do algodão americano e as expectativas do mercado de consumo de têxteis e vestuário avançadas pelo Institut Français de la Mode. Saiba ainda que materiais inovadores irão marcar o futuro e acompanhe as tendências apontadas pelo WGSN para o outono-inverno 2017/2018.

Não deixe também de espreitar as últimas edições das feiras Maroc in Mode e Intertextile Shanghai Apparel Fabrics, de onde os expositores portugueses trouxeram novos negócios.

Tudo isto e muito mais na edição de novembro do Jornal Têxtil. Se ainda não fez a subscrição, esta é a altura certa para fazer a sua assinatura e receber, em casa ou na empresa, a informação que faz a diferença no seu negócio (mais informações através do email [email protected]).