Início Notícias Retalho

E-commerce dispara pós-Natal

As vendas online em Portugal cresceram 20% de 26 de dezembro a 2 de janeiro face ao período homólogo de 2020/2021. Este aumento deveu-se sobretudo à proibição de saldos nas lojas físicas que, por sua vez, viram as vendas cair 51%.

[©Pixabay/Hutch Rock]

O impedimento da realização dos saldos pós-natal no retalho físico levou os portugueses a correr aos descontos no canal digital. De acordo com uma análise do KuantoKusta, as vendas em e-commerce entre 26 de dezembro e 2 de janeiro registaram uma subida de 20% relativamente a igual período de 2020/2021 e 218% em comparação com o mesmo período em 2019/2020.

«Os portugueses estão a contornar a ausência de saldos nas lojas com o recurso ao online, prática crescente desde o início da pandemia, pelo que o consumo deve continuar a aumentar nos próximos dias», assegura Paulo Pimenta, CEO do KuantoKusta.

Saúde e beleza (+127%), gastronomia e vinhos (+105%), animais de estimação (+56%), informática (+47%) e ainda casa e decoração (+45%) foram as categorias mais procuradas pelos consumidores nacionais.

«Os portugueses já não procuram apenas produtos de eletrónica e informática no e-commerce e, por isso, é fundamental que todo o comércio tradicional assegure presença no online», alerta o responsável.

Por seu lado, o impacto das vendas no retalho físico foi significativamente negativo, com quebras de 51,2%. Um inquérito realizado pela Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR), que representa 3.500 espaços comerciais e de restauração, dá conta desta descida acentuada entre os dias 26 e 31 de dezembro de 2021, quando comparado com o período homólogo de 2019.

[©Unsplash/Piero Nigro]
«Estes números confirmam que esta medida se revelou injusta e desadequada, sem efeitos na contenção pandémica e com prejuízos muito significativos para os consumidores e para as empresas», aponta a AMRR em comunicado.

A associação pede uma «revisão urgente das medidas impostas ao comércio, à restauração e aos cinemas», recordando os prejuízos que as empresas têm sofrido nos últimos anos com as restrições.

Recorde-se que devido à pandemia, o governo anunciou medidas de contenção da propagação do novo coronavírus após a quadra festiva, entre as quais a proibição de saldos nas lojas físicas para evitar aglomerações de pessoas, pelo que estes só têm início hoje.