Início Arquivo

Ecologia rima com moda? – Parte 2

Fora com os maus hábitosA M&S observou que 40% das suas emissões de dióxido de carbono proveniente da roupa são causadas pelas lavagens – como o consumidor lava os produtos – com a produção a emitir a mesma proporção e a logística a ser responsável por 20%.Apesar da lavagem não ser da responsabilidade directa do vendedor, a etiquetagem é uma das formas de encorajar os consumidores e a M&S introduziu etiquetas com a frase "Pense no clima – lave a 30º" em muitas das suas roupas. A empresa afirma que lavar a 30º em vez de 40º pode poupar cerca de 30% de electricidade.No seu discurso na conferência ASBCI, o director Krishan Hundal afirmou que este «é um assunto muito importante. Se toda a gente no Reino Unido começasse a lavar mais as suas roupas a 30º seria o equivalente a fornecer energia a todas as lâmpadas da rua no Reino Unido durante dez meses. É uma grande oportunidade para todos. Como seria de esperar, fizemos muita pesquisa, nós e os produtores de detergentes».Levar a mensagem para casaA consultora de design sustentável Kate Fletcher tentou resolver a equação de ter moda rápida, acessível e sustentável ao tentar um melhor equilíbrio entre moda rápida e "lenta", que se baseia em substituir a quantidade pela qualidade, tal como sugerem os bem sucedidos movimentos de alimentação orgânica e natural.«Cada vez mais pessoas estão a perceber que o negócio como está, ou, mais directamente, a moda como está, não é uma opção», afirma. «A tónica na consciencialização, de que todos fazemos parte, não vai conseguir atingir os nossos objectivos de sustentabilidade se apenas se limitar a observar os sintomas dos nossos problemas em vez de enfrentar as causas».Desta forma, parece que inovações como a produção de mantas a partir de garrafas de plástico ou de solas de sapatos a partir de pneus usados são as pontas do iceberg no que diz respeito à sustentabilidade.A identificação dos efeitos ambientais da lavagem equilibra convenientemente as emissões de carbono provocadas pelo transporte e pela produção. Mas para as empresas de vestuário melhorarem mais activamente a sustentabilidade têm de se concentrar na rapidez de design, nas cadeias de fornecimento, na embalagem e nas matérias-primas.