Início Arquivo

Empresários chineses em Villa Erba

A famosa Villa Erba já pertenceu a uma famosa família italiana e já foi ponto de encontro dos shows de tecidos. Os convidados tomavam chá, bebiam café, comiam frutas e gozavam a serenidade, o sol e a paisagem enquanto fechavam negócios. Foi uma grande surpresa para os 30 convidados chineses, que foram chamados para a apresentação de tecidos, na 46ª edição de Ideabiella. Foi a primeira vez que a empresa Ideabielle convidou chineses para a exibição e pagou todas as suas despesas de transporte e acomodação, um claro sinal da importância que o mercado chinês tem neste momento, especialmente depois do abrandamento do mercado americano após o 11 de Setembro. Os convidados anteriores vinham maioritariamente da Europa, América, Japão e Coreia do Sul. Paolo Zegna, administrador do grupo Ermenegildo Zegna e presidente da Ideabiella, afirmou que a associação tomou consciência do potencial do mercado chinês há dois anos atrás, mas sabia muito pouco sobre como organizar uma equipa chinesa nessa altura. «De agora em diante, as empresas chinesas podem juntar-se às americanas, europeias, japonesas e sul coreanas para escolher tecidos de alta qualidade aqui», afirmou Zegna. A 46 ª edição da Ideabiella apresentou colecções de tecidos de alta qualidade para o Outono/Inverno 2002/2003, produzidos por 64 empresas internacionais, tais como a Ermenegildo Zegna, Loro Piana, Cerruti, Piacenza e Reda. As empresas da Ideabiella produziram 116 milhões de metros de tecido de alta qualidade no ano passado, sendo na sua maioria para exportação. Muitas marcas internacionais conhecidas tais como a Giorgio Armani, Versace, Gucci, Prada, Ralph Lauren, Donna Karen, Valentino e muitas outras compraram os seus tecidos na feira da Ideabiella, que é levada a cabo duas vezes por ano. Zegna diz que a localização única para o encontro, ao longo do Como Lake, a cerca de 40 minutos da baixa de Milão e a entrada só permitida a portadores de convite, fazem com que a Ideabiella seja uma exibição diferente de todas as outras no mesmo ramo. Wang Xinkai da Dalian Roaat Garments Co Ltd, considerado o maior fabricante de fatos no Norte da China, afirmou que a feira serve para abrir os horizontes. A sua empresa já começou a comprar tecidos de alta qualidade de algumas fábricas italianas. Apesar de serem muito mais caros do que os tecidos produzidos na China, cada vez mais consumidores chineses preferem agora fatos com tecidos de alta qualidade e os tecidos de lã italianos estão entre os melhores do mundo, de acordo com alguns dos participantes chineses. Dai Zenghui, vice presidente da China Fapai Garments Enterprise Co Ltd, ficou maravilhado com os tecidos apresentados, «os tecidos são simplesmente lindos» acrescentou. Muitos outros empresários chineses de companhias tais como a Zhejiang Baoxiniao, Beijing Smart Garments, Zhejiang Sitton Dress, também partilham da mesma opinião. Os representantes chineses foram também convidados a fazer uma visita guiada a algumas das fábricas em Biella, uma área bastante conhecida pelas fábricas de lã que estão a cerca de 90 minutos de Milão. «Nós aprendemos muito com os industriais italianos, às vezes só um pequeno detalhe operacional ou administrativo», afirmou Ye Zhenghe da Zhejiang Sitton Dress Co Ltd. Muitas das empresas têxteis italianas já marcam a sua presença na China. O grupo Zegna, por exemplo, já é representado em terras chinesas através de 28 lojas Ermenegildo Zegna, cinco lojas Zegna Sport e uma Agnona.