Início Notícias Retalho

Entretenimento toma conta das lojas

As lojas físicas em 2030 serão mais focadas no entretenimento do que nas vendas, de acordo com uma analista da GlobalData, que antecipa ainda que, no online, as redes sociais e os influenciadores serão cada vez mais determinantes.

[©Unsplash/Maxim Ilyahov]

«O futuro das lojas físicas vai ser muito diferente do que é hoje», afirmou Shabnam Pervez, analista da GlobalData, no novo podcast da empresa de pesquisa de mercado a que o Just Style teve acesso, adiantando que o futuro do retalho será, sobretudo, o de entreter mais do que vender.

A informação surge depois da pandemia ter colocado em pausa as vendas em lojas e ter forçado os retalhistas tradicionais a acelerar as suas iniciativas tecnológicas. Com milhões de consumidores fechados em casa, os retalhistas viram-se obrigados a colocar os seus negócios online ou arriscarem-se a desaparecer.

Shabnam Pervez acredita que a tendência vai continuar, com as compras em espaços físicos a estar mais relacionada com entretenimento, algo que está também ligado ao papel cada vez mais importante das redes sociais.

«As redes sociais tornaram-se mais pertinentes nos últimos anos e, em 2030, a influência dos influenciadores será muito mais forte», apontou a analista da GlobalData. «Os maiores consumidores em 2030 serão aqueles que cresceram com acesso às redes sociais e vão seguir as dicas do que comprar diretamente das redes sociais. Isso terá certamente um efeito indireto nas vendas. Contudo, a forma como essas vendas serão obtidas poderá ser pelo comércio eletrónico ou até pelo comércio social, que consiste em comprar bens através das redes sociais», acrescentou.

[©Walmart]
As vendas em lojas físicas irão igualmente beneficiar da introdução de novas tecnologias. Tecnologias como a solução de realidade aumentada do Walmart, que permite aos consumidores experimentarem a roupa em casa, e dos chamados espelhos mágicos para experimentar as peças na loja de forma digital, serão usadas para melhorar a experiência do consumidor.

Segundo Shabnam Pervez, estas tecnologias vão tornar-se a norma, assim como a utilização de robôs para fazer entregas longe.