Início Notícias Moda

ESAD arrecada prémios em Frankfurt

Mariana Almeida, aluna da ESAD, saiu de Frankfurt com dois prémios do Innovative Apparel Show na Techtextil: a jovem designer não só ficou com o segundo lugar no prémio do público como foi a grande vencedora do prémio único atribuído pelos leitores da TextilWirtschaft.com

"Momentum 1" - Mariana Almeida
Mariana Campinho, Mariana Almeida e Ana Eusébio

A edição de 2017 da Techtextil e da Texprocess não poderia ter terminado de melhor forma para Portugal. Depois de, no primeiro dia das feiras – que fecham hoje as portas –, Luani Costa, mestre da Universidade do Minho, ter sido distinguida no concurso “Textile Structures for New Building” (ver Têxtil inova na arquitetura), Mariana Almeida, aluna da ESAD, foi hoje galardoada no Innovative Apparel Show com o segundo lugar na votação realizada pelo público e com o prémio único votado pelos leitores da TextilWirtschaft.com.

O coordenado vencedor, que concorreu na categoria “smart technologies”, consiste em duas peças, uma camisola e uma saia, cujo design foi inspirado na linha de metro do Porto. «Os tecidos em si permitiram dar outro impacto às peças», revelou, ao Portugal Têxtil, Mariana Almeida, que contou com o apoio das empresas Tintex e Heliotextil no desenvolvimento deste coordenado, batizado Momentum 1. «As minhas peças exigem rigidez e para terem impacto precisavam mesmo de um material diferenciador e a Tintex ajudou imenso nisso. Depois, o facto dos materiais poderem mudar de tonalidade com a temperatura, quando se aquece, permite alterar e mudar o aspeto com o toque e isso é interessante», explicou. «A linha que aparece e que muda de cor foi feita na Heliotextil e é um bocadinho a simular a linha do metro», acrescentou, destacando que «a parceria com as empresas foi ótima, fez toda a diferença».

“Momentum 2” – Mariana Almeida e “Memories’ whispers” – Joana Rita Mendes

A jovem designer, depois de ter marcado presença na passerelle do Bloom, no Portugal Fashion, e agora no concurso em Frankfurt, prepara-se para iniciar uma formação em modelação no Modatex. «Sinto que preciso ainda de investir nessa parte para depois poder estar muito mais à vontade, porque por mais que uma pessoa explique as ideias, ninguém melhor do que nós para conseguir fazer exatamente os moldes das peças como temos em mente. É um curso intensivo de um ano e meio, mas acho que vale a pena, porque é exatamente isso que eu quero: pôr a mão na massa, poder passar do papel para a parte mais física», justificou.

Mariana Almeida foi uma das quatro jovens designers recém-formadas pela ESAD que participaram neste concurso e que se destacaram face à concorrência. «São outfits muito criativos, os mais criativos de todos. E os materiais são magníficos», considera Cristina Motta, representante da Messe Frankfurt em Portugal.

Joana Rita Mendes criou um coordenado batizado “Memories’ Whispers” que pretende ser uma reflexão da consciência humana e da passagem do tempo, usando para isso malhas da Tintex e linhas e fios da Lipaco.

“Manifest” – Mariana Campinho

Já Mariana Campinho inspirou-se em desenhos das crianças da Faixa de Gaza para criar o coordenado Manifesto, com um casaco as letras HELP US cortadas a laser e com aplicação de luminescentes atrás, graças à tecnologia da ERT, que também assina a tecnologia de aquecimento aplicada nas costas. O segundo coordenado, um vestido, teve como fonte de inspiração o filme “A Rapariga Dinamarquesa” e incorporou um chip da ERT que, através da utilização de uma app, permite que as pessoas tenham acesso a documentários, imagens e fotos do coordenado. «Foi incrível trabalhar com materiais inteligentes», confessou ao Portugal Têxtil a jovem designer, que está de malas feitas para Londres, para um curso de beachwear e lingerie e um outro de calçado na London College of Fashion.

“Antagonism” – Mariana Campinho

Ana Eusébio, por seu lado, usou uma malha com cortiça no primeiro coordenado, enquanto o segundo, batizado “Self Portrait”, é um vestido que além de características funcionais, como respirabilidade e repelência à água, incorpora ainda um transfere, da Heliotextil, que permite igualmente através de uma app aceder a informação sobre a designer, remetendo para o seu website. A jovem criadora de moda, atualmente a trabalhar na Tintex, acredita que «cada vez mais estas parcerias devem existir entre as universidades e as fábricas em Portugal, porque vamos conseguir tirar o melhor de dois mundos: dos jovens designers, que são criativos e querem começar, e das fábricas que têm os materiais, os processos e a tecnologia para desenvolvermos realmente coisas fantásticas. Acho que Portugal está cada vez mais a crescer e é por aqui que tem que continuar a seguir».

Para além da ESAD, o Innovative Apparel Show contou também com a participação das escolas Esmod Paris de França, Accademia Italiana de Itália e a Hochschule Trier da Alemanha.