Início Notícias Retalho

Espaço Guimarães alia economia circular à solidariedade

As lonas que faziam parte da comunicação publicitária do Espaço Guimarães foram convertidas em acessórios de moda pelos jovens da ACIP, cooperativa de intervenção psicossocial, numa iniciativa que pretende combater o desperdício e, ao mesmo tempo, apoiar a inclusão social.

[©Espaço Guimarães x Corações sem Barreiras]

A ligação entre o Espaço Guimarães e a ACIP já faz parte da história do centro comercial. Este verão, os jovens da Associação estão a trabalhar num projeto que transforma as antigas lonas de comunicação do centro comercial em malas de mulher e carteiras de homem.

Desta forma, os jovens da ACIP dão uma nova vida aos materiais que seriam descartados, contribuindo para a redução do desperdício. Da sua parte, são integrados na sociedade ao realizarem um trabalho de valorização profissional, onde desenvolvem novas competências e criam artigos que lhes vão permitir angariar fundos que os continuem a apoiar nos seus projetos diários.

[©Espaço Guimarães x Corações sem Barreiras]
De antigas peças destinadas ao lixo, surgem novos acessórios de moda que contribuem para uma iniciativa solidária, batizada Corações sem Barreiras. «Versáteis e práticas, estas bolsas podem guardar os pertences essenciais para várias situações, desde uma ida às compras a um dia de praia ou um momento festivaleiro», refere o Espaço Guimarães em comunicado.

Neste projeto, «estão aliados dois valores fundamentais do centro comercial, a responsabilidade social e ambiental, em linha com a política de responsabilidade corporativa ActForGood», destaca o documento.

De 15 de julho a 6 de agosto, estes jovens vão estar no piso 1, junto ao balcão de informações, com um espaço exclusivo onde vão vender os novos artigos com valores entre os 4 e os 5 euros. Todas as verbas angariadas são destinadas à ACIP, com o objetivo de proporcionar uma viagem a estes artesãos e contribuir para a compra de equipamentos que melhorem a sua qualidade de vida.

O centro comercial, detido pela Klépierre – proprietária e gestora de mais de 100 centros comerciais na Europa –, tem vindo a colaborar continuamente com a ACIP, uma associação que ajuda crianças e jovens portadores de deficiência a manterem-se ativos e criativos.

[©Espaço Guimarães x Corações sem Barreiras]