Início Arquivo

Espanha também tem Nortada

As novas técnicas publicitárias televisivas, como o que agora está por detrás dos Morangos com Açúcar (actualmente denominado na linguagem de marketing por brand entertainment), e a significativa sensibilidade com que o consumidor português responde a qualquer variação de preço, mudando logo de marca (elasticidade-preço da procura muita elevada), tem enviusado a leitura de mercado por parte dos designers da Nortada, como contou Dores Pestana, gerente e designer da empresa detentora daquela marca, Pestana e Serôdio Lda. ao Portugal Têxtil (PT). Assim, depois de conceberem uma colecção, baseada em reuniões com a equipa de design, que lê as tendências na rua, nas viagens, nas revistas, nos shows de marcas internacionais de referência, e concluírem uma linha, que à partida poderia estar «talhada para o sucesso», esta pode acabar por ter um percurso, no mínimo inesperado. Segundo a gerente, quanto mais se caminha para o norte da Europa, mais os clientes se fidelizam, e não questionam tão facilmente a marca, nem se deslumbram com qualquer coisa que aparece de novo. O que se poderia chamar de mercado mais maduros. E há quatro anos atrás, quando praticamente em todos os mercados se reparava que o fato de banho de adulto acusava os sintomas de dificuldades económicas conjunturais mundiais que a Nortada diversificou para fatos de banho de criança. «O volume de negócios para este subsegmento em particular tem duplicado de ano para ano, e embora estejamos conscientes que estas taxas de crescimento não são sustentáveis por muito tempo, revelou ser uma boa aposta», salienta Dores Pestana ao PT. A empresa foi criada em 1988, e desde logo apostou na marca própria, inicialmente denominada Frágil, e que derivou para Nortada em 1994, com uma estreia mais diversificada nos artigos para praia, seguida da especialização em fatos de banho, que se mantém nos dias de hoje. Actualmente produzem também um pouco para private label, sendo que a empresa conta com 10 pessoas, mas tem duas parcerias com empresas de confecção, que asseguram a produção, «e que trabalham só com fatos de banho, pois é um artigo que exige uma mão-de-obra especializada». Nas matérias-primas, o tecido de algodão é comprado em Portugal e os restantes materiais em Itália e Espanha, «um país que cresceu apreciavelmente na produção de elastano», complementa. A maior concorrência vem de França e de Espanha, assim como é o país vizinho o principal responsável pela internacionalização da marca: «os espanhóis tem muito cuidado com o que compram para as crianças a todos os níveis, e o vestuário não é excepção», refere, «assim como se nota um pouco mais de cuidado e investimento nas crianças em Lisboa, onde também há mais poder de compra», complementa. A Nortada é uma marca de segmento médio-alto, e pode encontrar-se nos canais multi-marca da especialidade, «pois ainda somos da opinião que as pessoas preferem ir a uma loja que tenha várias marcas e vários tipos de artigos». A gerente tem pena de não haver em Portugal uma feira de pronto-a-vestir, «o que leva a que os estrangeiros a façam por nós, aproveitando esta lacuna», refere ao PT. A Pestana e Serôdio Lda. está sedeada no Porto, na Foz do Douro, e apresentou 900 mil euros de volume de negócios em 2005 – dos quais 250 mil em fatos de banho de criança -, contra 700 mil em 2004, não sentindo os efeitos da liberalização pelo segmento onde se posiciona. Dores Pestana acredita nas empresas que investem na qualidade, e nas empresas de confecção (subcontratadas neste caso) que lhes garantem resposta rápida e qualidade de serviço e de produto, «com uma excelente mão-de-obra», e acha que «devemos continuar a fazer bem o que temos feito bem». Acrescenta ao PT que as Associações (neste caso a Anivec/Apiv) devem apoiar estas empresas que fazem bem, nomeadamente nas «louváveis» iniciativas de internacionalização que estão em execução.