Início Arquivo

EUA monitoriza importações chinesas

Após a eliminação das quotas de importação, o mercado norte-americano registou uma subida significativa do volume de importações de têxteis e de vestuário com origem na China (ver notícia no PT). Esta situação impulsionou o Governo norte-americano a introduzir medidas especiais para a monitorização do crescimento das importações.

As novas medidas, com início no próximo mês, vão fornecer uma actualização quinzenal sobre o volume de importações norte-americanas com origem na China, permitindo a identificação prévia da existência de eventuais rupturas de mercado. Actualmente, os dados são divulgados com uma periodicidade mensal, sendo frequente a sua disponibilidade até seis semanas após o fim do mês em análise. Os relatórios preliminares sobre a evolução das importações, vão estar disponíveis na página da Internet da OTEXA (Office of Textiles and Apparel).

De acordo com o referido pelo Secretário de Estado do Comércio dos EUA, Carlos Gutierrez, esta medida tem por objectivo apoiar a indústria têxtil e do vestuário norte-americana.

As associações sectoriais norte-americanas demonstraram o seu apoio a esta iniciativa. De acordo com o Director-geral da AMTAC (American Manufacturing Trade Action Coalition), esta medida vai permitir evidenciar a tese defendida pelas associações sectoriais, segundo a qual as importações da China estão a originar a ruptura do mercado norte-americano de têxteis e de vestuário.

De acordo com os dados recentemente apresentados, o deficit norte-americano atingiu os 58,3 mil milhões de dólares (45,1 mil milhões de euros) no mês de Janeiro, com as importações originadas na China a registarem uma subida superior a 30%, em mais de mil milhões de dólares (773,6 milhões de euros). A indústria têxtil norte-americana requereu a limitação do crescimento das importações de várias categorias de artigos têxteis e de vestuário com origem na China em 7,5% (ver notícia no PT), ao abrigo do disposto na cláusula de salvaguarda considerada no âmbito da adesão da China à OMC.

Com o objectivo de evitar a escalada das tensões em torno do volume de exportações chinesas, o Ministro do Comércio da China, Bo Xilai, requereu aos produtores têxteis chineses para demonstrarem contenção e auto-disciplina, de forma a evitar situações de ruptura no mercado internacional. O Ministro chinês referiu ainda que o seu Governo aumentou recentemente as taxas sobre as exportações de têxteis, diminuiu o investimento nas indústrias têxteis e de vestuário e limitou a capacidade produtiva sectorial.