Início Arquivo

Expocasa na Batalha até 15 de Junho

Com uma área total de 16.000 m2, a edição 2003 da Expocasa conta a presença de mais de 200 expositores, nos quais se integram fabricantes, comerciantes e importadores da indústria do mobiliário, que mostrarão todas as novidades e tendências actuais deste sector. Desde o estilo clássico ao rústico, passando pelo mobiliário contemporâneo, todos estão representados neste certame, que apresenta assim uma oferta forte e diversificada que reúne os conceitos de conforto, funcionalidade e criatividade, capaz de agradar ao visitante mais exigente. A Expocasa tem vindo a atrair um número crescente de visitantes de todo o país, estando prevista a participação de 70.000 visitantes, entre os quais decoradores, designers, arquitectos, retalhistas e grossistas, outros profissionais do sector e ainda o público em geral. Esta é uma oportunidade para um encontro com as melhores empresas do sector, uma vez que todos os presentes ambicionam crescer e reforçar a sua posição no mercado. Cabe portanto às empresas portuguesas adoptar estratégias no sentido de ganhar mais competitividade, investindo em marketing, design e na diferenciação dos seus produtos. No nosso país, as empresas do sector mobiliário são aproximadamente 4.800, empregando mais de 45.000 trabalhadores, cerca de 11% dos totais relativos à União Europeia. A produção de mobiliário nacional tem uma forte predominância nos distritos a norte do país, com cerca de 63% do total das empresas nacionais, seguindo-se o distrito de Lisboa com 13%, Leiria com 5% e os restantes 19% estão distribuídos pelo resto do país. De acordo com dados fornecidos pela APIMA (Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliários e Afins), o fabrico de móveis em Portugal tem tendência para aumentar, devido às vantagens que as nossas empresas oferecem por serem pequenas e flexíveis, e aos preços altamente concorrenciais que apresentamos no mercado nacional e internacional. Têm sido feitos investimentos, no sentido de modernizar os equipamentos e introduzir novas tecnologias e novos modelos. O resultado destes esforços reflecte-se na produção anual, com um valor aproximado de 1 milhar de milhão de euros, bem como no crescimento das exportações para cerca de 140 milhões de euros. A indústria portuguesa do mobiliário pretende também reafirmar a sua importância no mercado nacional, com o intuito de concorrer com os produtos importados. Para isso as empresas portuguesas acompanham as principais tendências europeias de design, e introduzem constantemente inovações nos seus produtos.