Início Arquivo

Fátima Lopes “aquece” Paris

É portuguesa, mas faz cada vez mais sucesso no estrangeiro. De tal forma que os franceses lhe deram o voto de confiança para que Fátima Lopes inaugurasse oficialmente a Semana de Prêt-a-Porter francesa. O desfile realizou-se a 25 de Fevereiro, na Galerie Nikki Diana Marquardt. A colecção que foi inspirada, segundo a criadora, no «aquecimento global» causou expectativa, com coordenados que revelaram «ousadia, determinação, sensualidade, elegância em conjunto com um grito de alerta e uma mensagem de esperança…». No mesmo dia realizou-se o desfile da dupla constituída pelos criadores Pedro Pedro e Júlio Waterland, no Espace Commines. Os dois jovens designers estrearam-se na Semana de Prêt-à-Porter de Paris em Outubro do ano passado, tendo a sua colecção Primavera/Verão 2007 sido bem recebida pela imprensa especializada presente no desfile.Nas propostas para a próxima estação fria, a dupla Pedro Waterland apresentou «linhas high-tech futuristas», embora sem renegar «a inspiração couture anos 40 e 50», assim como «desenhos clean que se transformam em propostas sport de recorte minimalista». Nesta colecção verifica-se que a nova tendência são os «tamanhos abaixo do joelho, cinturas marcadas, linhas tubo, plissados abstractos e facetados de efeito armadura, ombros acentuados e arredondados, uso de fechos metálicos». Por tudo isto, foi apresentada «uma colecção contida, à imagem dos tempos actuais», como asseguraram os criadores.A Luís Buchinho coube encerrar, no dia 26, também no Espace Commines, a participação nacional naquele que é considerado como um dos mais importantes eventos de moda do mundo. Tratou-se do décimo desfile que o criador realizou na Semana de Prêt-à-Porter de Paris, com o apoio do Portugal Fashion. A colecção Outono/Inverno 2007/08 de Luís Buchinho foi buscar «inspiração ao vestuário utilitário», sendo marcada por «linhas clássicas revisitadas segundo um ambiente descontraído, informal e cosmopolita». Quanto à silhueta, verificou-se a «fusão de volumes soltos, tubulares, em formas estruturadas e dinâmicas», assim como «parkas volumosas, macacões fluidos e blusões curtos que reforçam o lado mais informal da colecção», enquanto «casacos ¾ delgados, formas orgânicas em capas ou gabardinas, saias e vestidos com detalhes drapeados são usados para aspectos mais femininos e românticos». Ao nível dos detalhes, a colecção de Luís Buchinho apresenta «drapeados em jersey, minipregas, recortes gráficos, maxi bolsos, zips, apontamentos em cabedal, brilhos metálicos em lurex ou silicone». Relativamente aos materiais utilizados, avultaram os «jerseys fluidos, crepons de seda enrugados, feltros de lã densos, voile estampados, cetins algodão/metal, tweeds compactos, pêlos e cabedal». Tudo isto em peças que variam ente os «pretos, antracites, cinzas claros, roxos, malvas e cobres». Para complementar a vertente passerelle, Luís Buchinho, Pedro Waterland e ainda os Storytailors tiveram a oportunidade de expor algumas das suas peças em showrooms individuais na Cidade-luz, entre os dias 1 e 4 de Março.