Início Notícias Moda

Felipe Oliveira Baptista na Kenzo?

O designer português está a ser apontado como o possível novo diretor criativo da casa de moda francesa, depois da anunciada saída de Carol Lim e Humberto Leon. A confirmar-se será o regresso de Felipe Oliveira Baptista à alta roda da moda, depois de ter abandonado os destinos criativos da Lacoste no ano passado.

Felipe Oliveira Baptista poderá ser o autor do novo capítulo da Kenzo. O designer português está a ser apontado pela FashionNetwork.com, que cita fontes próprias, como o novo diretor criativo da casa de moda francesa, que anunciou há cerca de uma semana a saída de Carol Lim e Humberto Leon a 1 de julho. Os dois vão concentrar-se na marca própria Opening Ceremony, de acordo com a WWD.

«Humberto e Carol trouxeram, consistentemente, diversidade e inclusão à Kenzo, usando as suas coleções, desfiles de moda, publicidade e projetos especiais para envolver e galvanizar uma nova geração de criativos», afirmou, na altura, Sylvie Colin, diretora-executiva da Kenzo, em comunicado. «Sempre abordaram tudo o que fizeram através da lente da experiência do consumidor e foram pioneiros numa visão moderna do que significa ser diretor criativo. Desejamos-lhes tudo de bom nas suas novas aventuras», acrescentou.

Felipe Oliveira Baptista pode agora ser “o senhor que se segue”, sendo que o nome do português tem sido referido diversas vezes quando se fala da Kenzo, juntamente com Marine Serre e Martine Rose.

Felipe Oliveira Baptista na ModaLisboa

Enquanto não há confirmação, é certo que o designer português estará de volta à ModaLisboa, não para desfilar as suas criações, como fez no passado, mas para ser um dos jurados do concurso Sangue Novo. Felipe Oliveira Baptista irá, juntamente com Miguel Flor e Lidija Kolovrat, selecionar 10 projetos para serem apresentados no desfile Sangue Novo em outubro de 2019.

Felipe Oliveira Baptista, nascido em 1975, começou a dar nas vistas em 2002, quando venceu o cobiçado prémio do Festival de Hyères. Em 2003, ano em que lançou a sua marca epónima, ganhou o prémio ANDAM, proeza que repetiria em 2005. Com o sucesso da marca própria, que além da ModaLisboa desfilou também no Portugal Fashion, o designer, de origem açoriana, foi contratado como diretor criativo da Lacoste em 2010, de onde sairia em 2018 depois de ter conseguido duplicar as vendas da marca francesa, tendo rejuvenescido a marca fundada por René Lacoste e atraído novos consumidores de gerações mais novas, graças ao estilo sportswear urbano. Pelo meio, em 2014, decidiu colocar em pausa a marca própria.

Em 2013, o Mude dedicou uma exposição ao seu trabalho e, em 2015, Felipe Oliveira Baptista foi condecorado pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, com a comenda da Ordem do Infante D. Henrique.

50 anos de história

A Kenzo, por seu lado, foi fundada em 1970 pelo designer japonês Kenzo Takada, que se distinguiu pelos estampados coloridos e ousadia das suas propostas. A casa de moda francesa foi adquirida pelo grupo LVMH em 1993, por cerca de 80 milhões de dólares, segundo a United Press International, e conta atualmente com 122 lojas em todo o mundo.

Kenzo
Kenzo

No último desfile para a marca, no passado dia 23 de junho, Carol Lim e Humberto Leon exploraram o tema da água, tanto em termos de cenário como de coleção. Esta última foi inspirada nas mulheres mergulhadoras japonesas, conhecidas como “ama”, com a utilização de fatos em neopreno, equipamento de mergulho transformado em vestuário exterior, golas de marinheiro em casacos e camisas com padrões de camarões.