Início Notícias Vestuário

Finlandesa conquista prémio no Porto

Idaliina Friman, estudante da Aalto University, foi a grande vencedora na categoria de vestuário da sexta edição do concurso Fashion Design Competition organizado pelo CENIT, que atribuiu também prémios por país. Marcelo Almiscarado, da ESAD, foi o português galardoado.

Idaliina Frima

A coleção apresentada pela finlandesa baseou-se na história e nas fases de vida do seu bisavô. «A ideia por detrás da coleção é uma mulher nobre do século XIX que fugiu da Lapónia e cujas roupas vitorianas se transformam, lentamente, em vestuário de desporto funcional», explicou ao Portugal Têxtil.

Um conceito que convenceu o júri presidido por Eduarda Abbondanza, presidente da ModaLisboa, e do qual fizeram parte Philippe Jarregeon (Suíça), Adriana Rodríguez (Espanha), Lauri Kopio (Finlândia), Lily Templeton (França), Emanuela Amato (Itália), Miguel Flor (Portugal) e Alban Adam (Reino Unido). «O dia de hoje foi muito intenso. Estivemos quase todo o dia a receber os concorrentes, a fazer as avaliações e a ouvir o que é que eles tinham para dizer», admitiu Eduarda Abbondanza.

Eduarda Abbondanza

Idaliina Friaman, que vai agora fazer um estágio e que no futuro antevê «trabalhar para outras empresas», não foi, contudo, a única vencedora. Aurore Marquis, HEAD, da Suíça, Andrés Zurru, do IED Madrid, de Espanha, Remi Si Larbi, do Institut Français de la Mode, de França, Le Manuel, da Polimoda, de Itália, Dan Ren, da London College of Fashion, do Reino Unido, e o português Marcelo Almiscarado, da ESAD, foram os vencedores de cada país na categoria de vestuário.

«É muito empolgante conhecer vários designers de sítios diferentes. Mais do que pela competição é ver a diversidade. Acho que me vai trazer projeção, penso que a indústria de moda em Portugal vai ficar mais atenta ao meu trabalho e vou ganhar credibilidade da parte das empresas», adiantou Marcelo Almiscarado, estudante da ESAD que integrou o espaço Bloom na última edição do Portugal Fashion.

Marcelo Almiscarado

Para os diversos vencedores o prémio terá diferentes aplicações e pode ser um indicativo de que estão no «caminho certo», mas apostar na carreira é um ponto comum a todos os jovens designers. «Vou aproveitar para relaxar um pouco provavelmente, mas sobretudo vou investir na marca e começar a guardar uma pequena quantia para o futuro da marca», afirmou Manuel Calabrese (Le Manuel) estudante da escola Polimoda em Itália.

No universo do calçado os vencedores de melhor prémio por país foram Lorenza Cicolini, da Arsutoria School. de Itália, Liquito Mesquita, da Lisbon School of Design, e Paula Pruteanu, da TUIASI, da Roménia, que também colecionou o prémio geral do sector.

Ação e diversidade

Le Manuel

Os prémios foram entregues ontem, 5 de dezembro, numa final que contou com 30 jovens designers. Na sexta edição do concurso, uma iniciativa do CENIT – Centro de Inteligência Têxtil e da ANIVEC – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção, em parceria com a APICCAPS e a ModaLisboa, os designers tiveram ainda a oportunidade de estabelecer contacto direto com a indústria têxtil portuguesa através dos dois dias de visitas às instalações do Citeve, Tintex, Pedrosa & Rodrigues e da Scoop, que se revelaram uma mais-valia para a visão dos criadores enquanto profissionais. «Foi uma ótima oportunidade para ver o que as empresas estão a fazer e também as condições em que as pessoas trabalham. Gostei muito de ver que são bem tratados. Isto vai ser bom para mim no futuro», reconheceu Linda Kokkonen, jovem designer da Aalto University na Finlândia.

Paula Pruteanu

A diversidade na técnica e na aprendizagem foi também sublinhada por parte dos jovens designers que tiveram a oportunidade de aprender com as diferenças de cada país. «Tem sido muito bom ver o que é que as outras universidades estão a fazer para entender onde é que eles estão. Podemos ver várias estéticas e diferenças nas técnicas, diferentes qualidades e diferentes níveis. Umas universidades estão mais focadas nas técnicas e outras mais no design e na experimentação», explicou Hannah Cooper, estudante na London College of Fashion. «A organização foi ótima, a semana toda também e foi fantástico ver as produções numa perspetiva interior. É uma ótima oportunidade para nós enquanto estudantes. Estou muito grata», concluiu.