Início Notícias Vestuário

FORteams Lab acerta agulhas

Conhecida pelos cachecóis usados pelos adeptos de futebol, a empresa está atualmente a voltar-se para novas tipologias de produto, nomeadamente loungewear e bonés. Um foco que deverá contribuir para que a FORteams Lab atinja o objetivo de crescer 35% em 2023.

[©FORteams Lab]

Com um portefólio que inclui a produção de merchandising desportivo, especialmente cachecóis, para grandes clubes nacionais e europeus, assim como para seleções de futebol durante campeonatos do mundo e da Europa, a FORTeams Lab (ex-4Teams) sentiu a necessidade de abraçar novos desafios e alargar o seu âmbito produtivo.

«Com a chegada da pandemia foram encetados esforços e houve necessidade de reinvenção, adaptando processos para superar uma altura difícil. Da dificuldade surgiu o crescimento e a vontade de fazer melhor. A empresa vira agora agulhas para novos mercados, apostando na inovação e desenvolvimento constante», explica a FORteams Lab em comunicado, adiantando estar «empenhada em expandir a oferta e apostar em novos modelos de negócio como loungewear, beanies e caps».

A ideia é que a empresa, que esteve presente na mais recente edição da Outdoor by ISPO e tem lugar marcado no próximo Modtissimo, aumente a quota do vestuário dentro das vendas, que atualmente representa apenas 30%, para 70% em 2024.

Pedro Santos [©FORteams Lab]
Segundo o comunicado, o CEO Pedro Santos «projeta um crescimento exponencial alicerçado na aposta na juventude e no espírito de equipa, que confessa ser para si a chave do sucesso». Ao Dinheiro Vivo, adiantou que o objetivo é fechar 2022 com cinco milhões de euros de volume de negócios, aumentando esse valor para seis milhões de euros em 2023 e sete milhões de euros em 2024.

«É um plano ambicioso, mas estou convencido que o loungewear é a área que mais vai crescer. Nunca me imaginava a fazer um fato de banho de senhora, mas dançamos o tango que nos puserem a tocar», afirma Pedro Santos, citado pelo Dinheiro Vivo.

Dois anos de transformação

A sustentabilidade é igualmente uma preocupação para o CEO da FORteams Lab, que tem feito desenvolvimentos no sentido de aproveitar o desperdício do processo produtivo. «Queremos ser uma empresa totalmente circular. Temos cerca de 400 quilos de desperdício que geramos diariamente nas nossas atividades de tricotagem, tecelagem e bordados, e que queremos reaproveitar no processo produtivo. Mas acreditamos que este projeto será escalável quando conseguirmos convencer os clientes a devolverem-nos tudo o que não vendem para voltar a integrar na cadeia», revela Pedro Santos ao Dinheiro Vivo. A meta é que a FORteams Lab chegue à neutralidade carbónica em 2030. «Estamos já a medir a nossa pegada ambiental para criarmos metas anuais a cumprir», salienta.

[©FORteams Lab]
A FORteams Lab tem ainda vindo a ser distinguida em diferentes instâncias, tendo garantido o estatuto Inovadora COTEC 2022 e vencido a 4ª edição dos Prémios Heróis PME, na Categoria Geral, atribuídos pela consultora Yunit Consulting. Na página dos prémios pode ler-se a história da FORteams Lab, com destaque para os últimos dois anos de transformação. «Em junho de 2020, a 4Teams cria o departamento de investigação, desenvolvimento e inovação, na expectativa de criar e desenvolver produtos e soluções para a empresa, assim como levar em conta as questões da sustentabilidade social e ambiental, tendo como resultado uma produção responsável. Acreditando que a mudança interna se deveria refletir no seu todo, em meados de 2021, a 4Teams fez um rebranding e assumiu a redefinição estratégica da sua presença online, passando a denominar-se FORteams Lab», refere. Atualmente, acrescenta, «a FORteams Lab surge como uma PME com mais de 100 colaboradores, certificações que atestam qualidade, responsabilidade social e ecológica dos seus artigos e com uma variedade de produtos que permite dar resposta a qualquer adversidade. A certeza para o futuro é a de sempre: há sempre algo a melhorar e vamos continuar a crescer».