Início Destaques

Gerber apoia conversão para produção de EPI’s

A tecnológica de origem norte-americana criou uma equipa especial para ajudar os seus clientes a alterarem as suas linhas de produção para fazer equipamentos de proteção individual. O objetivo da Gerber Technology é usar a experiência na China para ajudar outras empresas em todo o mundo na missão contra a COVID-19.

A especialista em tecnologia para a produção de vestuário Gerber Technology lançou uma task force dedicada para ajudar as empresas a converterem a sua produção para fazer equipamentos de proteção individual. Com base numa iniciativa bem sucedida na China, a Gerber PPE Task Force and Resource Team pode oferecer aconselhamento, partilhar as melhores práticas, dar apoio e fornecer tecnologia para produzir alguns tipos de máscaras, assim como vestuário de proteção e acessórios, incluindo a aquisição de matéria-prima e apoio no local.

«Num contexto mundial em que a COVID-19 continua a disseminar-se, a escassez mundial de máscaras e outro equipamento de proteção individual necessário para manter a segurança dos trabalhadores da área da saúde é uma preocupação para todos», aponta a Gerber em comunicado.

Mais de 300 produtores usam o software, soluções de hardware e conhecimento da Gerber para produzir máscaras e outros equipamentos de proteção individual. Nos últimos meses, a empresa ajudou vários clientes a fazerem a transição para a produção de máscaras e outros equipamentos de saúde, incluindo a Taglio Marchesini, em Itália, e a Shanghai Challenge Textile, na China. Desde 4 de fevereiro que os três andares da fábrica da Challenge produzem vestuário de proteção, numa produção diária que, segundo indicou Yang Shibin, presidente da Shanghai Challenge Textile, à agência noticiosa chinesa Xinhua, ascende a 6.000 peças diárias.

«Naquela que é uma emergência mundial sem precedentes, todos nós, na indústria, temos de trabalhar em conjunto para proteger aqueles que lutam contra a COVID-19 na linha da frente», considera Mohit Uberoi, CEO da Gerber Technology. «Com mais de 50 anos de experiência, estamos a fazer a nossa parte e a ajudar outras empresas a fazerem uma transição rápida para a produção de máscaras e outros equipamentos de proteção individual», acrescenta.

Apoio diversificado

O apoio desta equipa especial pode traduzir-se na implementação de moldes e marcações pré-definidas e definição de especificações em termos de tecidos e costura, estabelecimento de parâmetros de corte específicos para os tecidos selecionados, formação a técnicos em termos de software e equipamentos, alteração das linhas de produção para equipamentos de proteção individual, ligação entre a oferta e a procura de equipamentos de proteção individual através da rede mundial de parceiros e clientes e apresentação de produtores de equipamentos de proteção individual já estabelecidos aos que se estão a converter à produção deste tipo de artigo.

O anúncio desta Gerber PPE Task Force and Resource Team surge numa altura em que vários players da indústria estão a tomar medidas para responder à falta de equipamentos de proteção individual devido à pandemia. Além de diversas empresas portuguesas, há grandes grupos mundiais a tomar medidas. A retalhista sueca H&M está a mobilizar a sua cadeia de aprovisionamento neste sentido, enquanto nos EUA, uma coligação de empresas têxteis e de vestuário juntou forças para criar uma cadeia de aprovisionamento para acelerar a produção de máscaras cirúrgicas.

Já a produtora de químicos Huntsman Corporation está a começar a fazer solução alcoólica para desinfetar as mãos em Monthey, na Suíça, e o grupo de luxo Kering, que detém as marcas de moda Balenciaga e Yves Saint Laurent, está a preparar-se para produzir máscaras nos seus ateliers em França.

A gigante do sportswear Nike também anunciou que está a explorar designs para equipamentos de proteção individual para apoiar médicos e enfermeiros.