Início Destaques

Gerber aposta no número 13

Numa tentativa de aprofundar as relações de proximidade com os clientes, a Gerber Technology convidou vários empresários a visitar as suas instalações do Porto. Em destaque estiveram as soluções end-to-end da empresa, que se prepara para lançar, em fevereiro, a versão 13 do software AccuPlan com a integração do 3D.

Na passada quinta-feira, dia 23 de janeiro, a Gerber Technology teve casa cheia. Vários representantes de empresas reuniram-se para conhecer as últimas novidades de software das soluções end-to-end da especialista em sistemas CAD-CAM, que podem responder os desafios atuais ao nível do desenvolvimento do produto e da produção das várias indústrias transformadoras. «Acho que a proximidade com os clientes é muito importante», afirmou Francisco Aguiar, diretor comercial para os mercados indiretos EMEA (Europa, Médio Oriente e África), ao Portugal Têxtil. «O objetivo do evento é mesmo esse: trazê-los cá para falar connosco, conhecer as pessoas com quem lidam todos os dias», proporcionando «uma boa oportunidade para conversarem. E, no início do ano, é uma boa altura para isso», acrescentou.

Francisco Aguiar

Enquanto «líder mundial» de soluções de software para a indústria transformadora, nas palavras do executivo de vendas José Magalhães, a Gerber Tecnhology representa 130 países e 78 mil clientes, em mais de 50 anos de atividade. Dirigindo-se maioritariamente à indústria têxtil e vestuário (com um peso entre os 60% e os 65% no volume de negócios), mobiliário e automóvel, a empresa atua «perto das grandes marcas, dos fabricantes e dos retalhistas, desde o desenvolvimento à produção (modelo B2B) e de uma forma global», apontou o executivo de vendas. «A nossa estratégia é simples: ajudar os clientes a tornarem-se mais competitivos, dando-lhes ferramentas para que possam responder aos desafios que lhes são apresentados diariamente», explicou.

A competitividade de um negócio exige uma adaptação às necessidades do mercado. José Magalhães assegurou que, no panorama atual, os consumidores têm «o mundo na mão». Deste modo, colocam-se os seguintes grandes desafios para as empresas: «aceleração dos processos de produção, adequação dos modelos de produção de acordo com o perfil dos clientes e das encomendas, redução de custos [e] digitalização em toda a cadeia», enumerou.

José Magalhães

A Gerber Tecnologic apresenta-se, então, como uma «plataforma colaborativa que fornece o suporte necessário em todas as fases de desenvolvimento do produto, desde o planeamento e conceção à produção, vendas e rastreamento, na vanguarda da inovação e do know-how», salientou o executivo. No próximo mês de fevereiro, a empresa irá apresentar a mais recente versão transversal a todo o software AccuMark, AccuNest e AccuPlan com a integração do 3D.

Para abordar as novas atualizações e a importância das soluções end-to-end, estiveram presentes no evento, para além de Francisco Aguiar e José Magalhães, Fernanda Ferreira, executiva de vendas, Madalena Silva, consultora de pré-vendas, Thierry Cusanno, diretor digital de soluções na região EMEA e Beatrice Duchatelle, gestora de pré-vendas na mesma zona.

Novas atualizações

«O mundo da moda tornou-se um lugar muito instável, devido à globalização dos mercados e à alteração dos comportamentos dos consumidores», que agora tomam decisões «à velocidade de um clique», impulsionados pelos media, que têm a capacidade de «definir tendências do dia para a noite», garantiu Fernanda Ferreira. No momento da compra valoriza-se agora a personalização, a customização, a sustentabilidade, a diferenciação, a conetividade e a partilha de experiência, tudo a um preço razoável. A indústria da moda teve de se adaptar, criar novos modelos de produção, onde predominam «as pequenas séries, os ciclos de produção cada vez mais reduzidos» e «modelos adaptados às tendências», reforçou a executiva de vendas.

Fernanda Ferreira

Na nova versão do software da Gerber, onde o AccuPlan (programa para a gestão da sala de corte) ocupa o centro do fluxo de trabalho, acrescentam-se mais ferramentas interativas em PDS (Pattern Design Software) e de simulação, bem como melhorias na colaboração e na comunicação com parceiros, ao nível da renderização e do realismo dos detalhes. «Ao usar esta solução, estamos a poupar tempo em diversas áreas, porque melhoramos a comunicação e fornecemos informação mais rigorosa». afiançou Thierry Cusanno.

Por outro lado, a empresa traz dois novos módulos. Ao nível do inventário e colocação de rolos, Madalena Silva elucidou que o AccuPlan estabelece uma ligação com o armazém na interface do utilizador e permite atribuir referências de rolos ao pedido seguindo uma lógica e alimentando os estendedores de forma inteligente, fácil e rápida. «É uma solução muito avançada e advém de pedidos de clientes», asseverou. Já o módulo avançado de estendimento gera instruções de estendimento para todas as ordens de corte, isto é, a solução gerada no AccuPlan é enviada diretamente para as mesas de corte.

Para Francisco Aguiar, as vantagens destas atualizações resumem-se em duas palavras: «tempo e custo». Ou seja, «quantos menos passos der no meu processo de produção, quantas menos pessoas intervirem, mais tempo ganho, o que se reflete obviamente na redução de custos», referiu. Há um maior grau de interatividade e de autonomia, assim como se acrescem melhorias na apresentação e comunicação em tempo real com clientes e entre departamentos.

Um mundo de soluções

Segundo o diretor comercial para os mercados indiretos EMEA, a indústria têxtil e vestuário é responsável por cerca de 60% a 65% das vendas da Gerber, a nível nacional. «Portugal é um país de produção», sublinhou, logo faz sentido que os best-sellers da empresa sejam as máquinas com maior capacidade de produção, nomeadamente a Paragon HX e a LX.

Thierry Cusanno

Apesar do volume de negócios de 2019 ainda não estar disponível, Francisco Aguiar confessou que a empresa cresceu no mercado nacional. Contudo, as maiores surpresas revelaram-se no estrangeiro. «Este ano tivemos países com muito sucesso. O norte de África, por exemplo, está muito forte, nomeadamente o Egipto, com mais de 100% de crescimento», indicou. Além disso, «também é obrigatório falar na Turquia porque é um país que todos os anos se destaca pela quantidade de sistemas que compram da nossa parte», acrescentou.

Por outro lado, apesar da conjuntura política adversa às relações económicas com a empresa americana, registou-se um aumento de vendas para a Rússia e o Reino Unido. «São dois exemplos [de mercado] para os quais fui muito conservador exatamente pelos problemas políticos, mas que por alguma razão não se verificaram, já que são duas regiões que cresceram bastante», admitiu o diretor comercial.

Madalena Silva

Para reforçar a sua presença no mercado internacional, a Gerber inaugurou, em outubro de 2019, um centro de inovação tecnológica em Nova Iorque. José Magalhães destacou que esta instalação «passa uma mensagem clara de vontade de desenvolvimento, vontade de crescer e foi feito a pensar nos nossos clientes. É um sítio onde vamos encontrar os últimos desenvolvimentos em software 2D, 3D, PLM, tecnologia de impressão digital e um conceito de microfábrica».

«O futuro é agora», assumiu Fernanda Ferreira. «Com a soluções end-to-end da Gerber, incluindo a integração desde o PLM até ao produto final, poderão continuar no bom caminho, com foco de obtenção de mais lucro», resumiu.