Início Arquivo

Giorgio Armani sem medo de investir

Apesar do abrandamento da conjuntura internacional, o grupo Giorgio Armani não tem intenção de travar o seu desenvolvimento. E os resultados dão-lhe razão. A loja milanesa, que investiu no ano passado 273 milhões de € no lançamento de novas iniciativas, continua a subir, obtendo um crescimento de 23% do seu volume de negócios consolidado, que se estabeleceu em 1,27 mil milhões de € em 2001. «Eu estou muito satisfeito com este novo recorde, que demonstrou a validade da nossa estratégia, apesar das dificuldades dos mercados mundiais», regozija-se Giorgio Armani, presidente e administrador do seu grupo. Contudo, ele não dá nenhuma indicação sobre o montante dos seus lucros, que se elevaram a 121,3 milhões de € em 2000 e que serão anunciados em Abril. Esta forte progressão, diz respeito ao conjunto dos mercados internacionais (+13% na Europa, +35% na América do Norte, +29% no resto do mundo), e deve-se em parte à tomada de controle da produção e da distribuição de vestuário masculino assinado Giorgio Armani Collezioni, que desde o ano 2000, está confiada ao grupo Gft Net. A divisão de distribuição da Armani, que conta com 257 lojas em 24 países diferentes, aumentou as suas vendas em 9%, para 481 milhões de €. Aqui, este aumento diz respeito a todos os mercados (+16% na Europa, +15% na Ásia e no Pacífico) mas é claramente menos sustentado nos Estados Unidos (+1%). «Nas semanas a seguir ao 11 de Setembro, as vendas nas lojas recuaram cerca de 20%, – reconhecem os responsáveis do grupo – mas a economia americana já estava a abrandar.» Em 2001, o grupo consagrou 78 milhões de € à abertura de 33 novos pontos de venda e à renovação de uma vintena. Desenvolveu também a rede “Armani Casa”, que conta com 6 lojas em Milão, Paris, Londres, Nova Iorque, Los Angeles e Atenas. Este ano, o grupo quer criar cerca de vinte pontos de venda, alguns dos quais em parceria e o primeiro vai abrir em Istambul durante o mês de Fevereiro. Outras aberturas estão também previstas para a próxima Primavera. No que diz respeito à produção, o criador industrial anunciou a próxima aquisição de Miss Deanna, um fabricante italiano especializado em malha de topo de gama. «Um acordo preliminar foi assinado e o contrato final está previsto para o mês de Maio», afirmam os responsáveis do grupo. Instalado em Reggio Emilia, Miss Deanna fabricará a malha de todas as colecções de Giorgio Armani a partir da Primavera-Verão 2003. Esta operação vai permitir ao grupo a continuação da sua política de integração, lançada no ano passado graças a um investimento de 134 milhões de € para a aquisição completa da Simint, encarregada entre outras da produção da Armani Jeans. Entre os outros projectos para este ano, o grupo tenciona alargar a distribuição das suas colecções de têxteis-lar que têm sido já apresentadas, embora em número limitado, nos seus próprios pontos de venda. Ele quer instalar-se especialmente em lojas multimarca especializadas e nas grandes lojas. A mesma política será aplicada para a sua linha de produtos cosméticos, actualmente vendidos ao lado de uma dezena de pontos de venda em todo o mundo. Este ano verá também o nascimento de um novo perfume masculino com o nome Armani Mania. Este, será apresentado na próxima Primavera na Europa e no Japão. «Vais-nos permitir consolidar a nossa presença no sector. O nosso perfume Acqua di Giò para homem é já um dos mais vendidos em todo o mundo ocupando um lugar cimeiro no mercado americano», asseguram os responsáveis do grupo. A primeira colecção de jóias Emporio Armani será igualmente lançada no Outono-Inverno 2002-2003. Esta, será produzida sob a licença da Fossil, desde já licenciada para as montras Emporio Armani, cujas vendas tiveram um crescimento a nível mundial de 18% no ano passado.