Início Notícias Têxtil

Há vida em Frankfurt

A Techtextil aterrou em Frankfurt de 9 a 12 de maio e milhares de visitantes não quiseram perder a oportunidade de espreitar a vida no espaço e conhecer as novidades dos expositores da feira de têxteis técnicos e não-tecidos, incluindo das 25 empresas que ostentaram as cores lusas.

A Techtextil pôs visitantes e expositores a encararem com outros olhos o espaço sideral. A feira de Frankfurt escolheu como tema a vida no espaço e o ambiente que se experienciou durante os quatro dias não só foi espacial com também especial.

Nem sempre os números são fiéis depositários da verdade, mas desta vez acompanharam o sentimento de otimismo e inovação que se fez sentir nos corredores e stands do certame. Em comparação com 2015, o número de visitantes aumentou 14%, ultrapassando os 47.500 profissionais (dados conjuntos da Techtextil e da Texprocess, a feira de tecnologia para o processamento de têxteis e materiais flexíveis que decorreu em paralelo), em comparação com 41.826 há dois anos. Italianos, franceses e turcos foram as nacionalidades mais representadas.

«Embora tenhamos tido mais funcionários no nosso stand, os visitantes ainda tiveram de fazer fila em várias alturas. Para nós, a feira foi fantástica», afirmou Jan Zimmermann, da suíça Forster Rohner, um dos 1.478 expositores presentes.

Entre a delegação portuguesa – a maior de sempre, com 25 expositores, 13 dos quais apoiados pela Associação Selectiva Moda –, os espíritos também se mostraram animados pelas oportunidades que a Techtextil despertou. «Estivemos com bastantes clientes, alguns novos, outros potenciais clientes», revelou, ao Portugal Têxtil, Daniel Milheiro, diretor de qualidade e responsável de desenvolvimentos e gestão de projetos da Carlom, que destacou as suas malhas ketten para a indústria automóvel.

Na Foot by Foot, as expectativas foram superadas. «A nossa expectativa inicial era tentar perceber se iria ocorrer melhorias relativamente a 2011», explicou o administrador António Pereira. Nessa primeira experiência, «pareceu-nos que o que a feira nos trazia era muito pouco para aquilo que estávamos interessados em procurar. Mas contrariamente ao que estava à espera, correu bastante bem», explicou ao Portugal Têxtil, dando conta do interesse real dos contactos. «As pessoas não chegavam lá para pedir orçamentos nem para comprar. Chegavam cá com ideias para desenvolver», acrescentou, dando como exemplo um contacto de um cliente que estava à procura de fatos para competição automóvel e um outro cliente à procura de fatos para raio-X em ambientes hospitalares.

Uma experiência vivida igualmente pela Heliotextil. «Sentimos que quem nos abordava eram os diretores industriais de desenvolvimento de produto que identificam utilizações com os nossos produtos para aplicações muito específicas e apresentam-nos desafios para funcionalizar ou para resolver problemas que encontram com as soluções atuais», apontou o CEO Miguel Pacheco. Entre a oferta da empresa, as áreas de eletrónica impressa, da rastreabilidade, de processos inovadores de tecelagem e customização foram as que despertaram mais interesse.

«Esta feira é sempre positiva pela diversidade de oferta que tem, de produtos e de visitantes. É uma feira muito técnica, logo existem muitos clientes que vêm à procura de novas soluções e com a vantagem de que vêm de muitos países, não é só da Alemanha», referiu, por seu lado, Jorge Pereira, CEO da Lipaco.

Entre as estreantes, a Inovafil colocou em destaque a coleção própria de fios para workwear, onde pontuam propostas com uma vertente moda e também funcional, com propriedades como proteção ao calor, à chama e antiestática. «A feira esteve muito boa. A Techtextil respira saúde, é uma aposta nossa a continuar», assegurou o CEO Rui Martins.

Já a Lunartex acrescentou silicone aos elásticos, reforçando a sua oferta para a Techtextil e «procurar outro mercado que não seja lingerie ou underwear», explicou o responsável comercial Rui Lopes. «Não houve uma procura incessante por amostras e cartões e flyers. Houve, efetivamente, objetividade naquilo que se procurava. Como tal, traz uma boa perspetiva para futuro, porque estamos a falar de clientes que sabem o que querem», admitiu.

Já a Tintex levou a Frankfurt produtos técnicos, com a linha de coating. «Estamos aqui sobretudo para sentir o pulsar da feira e na próxima edição iremos ser mais ambiciosos, apresentar produtos já mais consolidados e mais focados para este género de mercado», adiantou o administrador Mário Jorge Silva, que sentiu uma maior procura por parte de clientes de athleisure.

Fora dos stands dos expositores, as diversas exposições e eventos especiais registaram também uma forte adesão, nomeadamente a dedicada à vida no espaço. O astronauta Reinhold Ewald, da Agência Espacial Europeia, esteve na abertura da área “Living in Space”, onde os visitantes puderam experienciar uma viagem virtual a Marte, conhecer os materiais usados no espaço e um “habitat” especial desenhado pelo arquiteto Ben van Berkel, assim como ver de perto o veículo Mars Rover.

Os desfiles do Innovative Apparel Show, que garantiu dois prémios a Mariana Almeida, da ESAD (ver ESAD arrecada prémios em Frankfurt), contaram igualmente com uma plateia cheia, interessada em descobrir como os têxteis inteligentes e funcionais se podem enquadrar em propostas criativas de moda. De resto, os prémios abundaram nesta edição (ver 20 prémios no primeiro dia) e Portugal começou também como terminou (ver Têxtil inova na arquitetura)

«Indústria 4.0, têxteis inteligentes e funcionais e digitalização já não são tendências de amanhã. Se alguma indústria está pronta para o futuro, é a indústria têxtil. No entanto, mesmo nesta era da digitalização, a troca pessoal de ideias e opiniões é essencial. Como tal, estamos muito satisfeitos por tantos visitantes terem vindo à Techtextil e à Texprocess», afirmou, no balanço preliminar, Detlef Braun, administrador da Messe Frankfurt. «Qualquer pessoa que não tenha estado em Frankfurt nos últimos quatro dias perdeu a oportunidade de experienciar, por si próprio, a natureza dinâmica da indústria têxtil», concluiu.