Início Notícias Têxtil

Imprimis à descoberta do Novo Mundo

França, Bélgica, Espanha e Inglaterra são, atualmente, os melhores mercados de exportação da Imprimis by Gulbena que agora se prepara para saltar as fronteiras do Velho Continente e rumar ao Novo Mundo, com uma encomenda para os EUA.

«Vamos fazer uma primeira encomenda para os EUA, estamos a lidar diretamente com o cliente, as peças vão ser feitas em Portugal e o contacto surgiu precisamente através do português que lhe vai fazer as peças», conta Carlos Folhadela, diretor comercial da Imprimis by Gulbena, ao Portugal Têxtil.

O pedido da empresa norte-americana, ainda a dar os primeiros passos, foi especial, mas encontrou resposta à altura.

«São camisas de homem, todas estampadas- Tem de ser uma camisa muito confortável e o tecido que escolheu é muito confortável. O público-alvo do cliente é os indivíduos que normalmente andam de fato e gravata e querem libertar-se no fim de semana, no final da tarde ou nas férias», explica Carlos Folhadela.

Com crescimento «assegurado» em 2017, os investimentos têm sido constantes na empresa que conta com um efetivo de 10 pessoas.

«Os investimentos em 2017, diretamente ligados à [estamparia] digital, aproximam-se de 1 milhão de euros. Por isso, estamos numa fase em que, possivelmente, em 2018 não vamos precisar de nada», admite o diretor comercial.

Recentemente, a especialista em estamparia digital passou a ter uma râmula praticamente para uso exclusivo na preparação, «para não haver qualquer tipo de constrangimento», uma vez que a Imprimis by Gulbena partilha espaço e equipamento com a TTT Tech. «O fluxo passou a ser muito melhor», garante, destacando ainda a chegada, em 2016, da terceira máquina de estampar e do segundo vaporizador.

Com uma capacidade produtiva mensal na ordem dos 150 mil metros, conseguidos, nas palavras de Carlos Folhadela, «com alguma tranquilidade», a Imprimis by Gulbena ainda não se viu na posição de precisar de dizer “não” às encomendas, muito graças à sua flexibilidade.

«Se necessitarmos de trabalhar 24 horas, trabalhamos 24 horas. Sendo certo que, muitas vezes, só trabalhamos 10, porque não precisamos de mais. Somos muito flexíveis», reconhece.

Atualmente, a Imprimis by Gulbena tem ainda vindo a posicionar-se no mercado com uma aposta crescente nos tecidos.

«Antes estávamos muito focados nas malhas, tínhamos 4 ou 5 referências de tecido, hoje temos 40», afirma o diretor comercial.