Início Arquivo

Inditex abranda mas não para

O grupo de retalho espanhol Inditex registou um aumento do lucro durante o primeiro trimestre, com o tempo mais frio a abrandar o crescimento. A empresa, que detém, entre outras, a marca Zara, indicou que o lucro líquido aumentou 1,3%, para 438 milhões de euros, no trimestre terminado a 30 de abril, com as vendas a aumentarem 5,2%, para atingirem os 3,6 mil milhões de euros. As margens brutas caíram durante o período, para 59,6%, em comparação com os 60,2% no mesmo período do ano anterior. No trimestre, a empresa focou-se na expansão internacional, com a abertura de 49 lojas em 30 países, terminando o trimestre com 6.058 lojas em 86 mercados. «A Rússia, o Japão e a China são os mercados onde foram abertas o maior número de lojas neste período», revelou a Inditex. Também lançou as vendas on-line no Canadá em abril e planeia lançar a plataforma na Rússia no outono. «O grupo já opera neste canal em 23 países (19 europeus, EUA, Japão, China e Canadá)», acrescentou a empresa. Entre 1 de maio e 7 de junho, as vendas em moeda local aumentaram 8%. A analista da Société Générale, Anne Critchlow, estima este valor se refere a vendas comparáveis e que eliminando o impulso dado por novas aberturas de lojas, as vendas estão estagnados. «Esta não era a recuperação que o mercado esperava», afirmou. Tal como todos os retalhistas, as vendas na Inditex estão a ser afetadas por uma primavera e verão anormalmente frios na Europa, que está a desencorajar os consumidores de comprarem roupas de praia e roupas estivais. Contudo, muitos analistas continuam a enfatizar as vantagens do seu modelo de negócio – estruturado em torno da rápida distribuição – em relação às suas rivais. «A Inditex tem um grande problema este ano: comparações difíceis devido a um excecional em 2012», indicou Critchlow. «O mercado ainda está a absorver este facto e as ações poderão continuar com performances inferiores no curto prazo. Contudo, continuamos a acreditar que apenas investidores a longo prazo precisam de ter este nome de qualidade», acrescentou. Os investidores ignoraram o abrandamento, levando a um aumento das ações da Inditex de quase 4% para 101,70 euros, em comparação com o pico máximo de 111,80 euros que atingiu no final do ano passado, antes de terem emergido mais preocupações. Uma sondagem aos analistas da Reuters tinha previsto um lucro de 435 milhões de euros, um Ebidta de 757 milhões de euros e vendas de 3,6 mil milhões de euros. A Inditex é detida na maioria pelo fundador Amancio Ortega, que este ano foi considerado o terceiro homem mais rico do mundo pela Forbes.