Início Arquivo

Inditex em “maré baixa”

A Inditex já não é o que era. A poucas sessões do final das operações da bolsa do corrente ano, é o pior valor do Ibex-35 em rentabilidade e um dos poucos que cotizam abaixo do preço registado aquando do fecho do ano transacto. Isto deve-se à decepção que está a provocar os seus resultados, embora tenha incrementado os seus benefícios em 4% graças às novas aberturas de lojas. Mas a realidade é que a empresa já não é capaz de crescer ao ritmo observado até ao momento. E isto, em bolsa, paga-se. Sobretudo, quando se cotiza com um elevadíssimo rácio PER (preço por acção), superior a 30 vezes. São vários os factores que, conjuntamente, provocaram que ficassem a descoberto certos pontos débeis no modelo de negócio da Inditex, nomeadamente a desvalorização do dólar e das divisas latino-americanas e a vaga de calor que se fez sentir durante os meses de Agosto, Setembro e Outubro: se está calor, a roupa que se vende é mais ligeira e, por consequência, mais barata. No entanto, estes factores não explicam toda a decepção. Nos trimestres anteriores já se notavam os primeiros sintomas de debilidade, que coincidiram com fortes descidas na sua cotização na bolsa. A Inditex não foi capaz de manter as suas margens. A combinação de rápido crescimento com a erosão da margem bruta é algo habitual no sector: Adolfo Domínguez e Cortefiel sofreram também deste problema. A da Inditex caiu de 52,6 % no ano passado até 50,8 % no último trimestre. Continua a ser um valor elevado, mas a evolução denota o começo de uma tendência baixista. Como solução, a empresa pretende proximamente reduzir os custos, produzindo mais na China e no Médio Oriente, onde a mão de obra é mais barata. Quer isto dizer que a Inditex tornou-se numa “mᔠempresa? Nem pensar! O seu modelo de negócio continua a ser superior ao dos seus adversários e os seus princípios, embora ligeiramente abalados, continuam válidos. O que ocorre é que os experts acreditam que a Inditex pode deixar de ser uma empresa de «crescimiento» para converter-se numa de «valor». Agora cresce menos, mas continua a ser uma grande empresa. Os próximos trimestres dirão se a situação actual é reversível.