Início Notícias Moda

Inverno acaba em Paris

Entre o intemporal couro preto e as riscas, Paris decidiu iluminar o outono-inverno 2017/2018 e os metalizados cruzaram a passerelle da Cidade-luz. Do forte apelo cénico da Off-White – que convidou a comunidade moda internacional a perder-se numa floresta –, à inigualável criatividade de Karl Lagerfeld – que desta vez fez “descolar” a coleção da Chanel –, o calendário voltou a destacar-se pela teatralidade.

Ficaram entregues a Paris as chaves do outono-inverno 2017/2018, com a temporada de moda internacional a fechar as portas na Cidade-Luz. O calendário parisiense terminou a 8 de março com a extravagância da Louis Vuitton no museu do Louvre e já se começam a alinhar as tendências-chave da edição.

Eis a seleção do portal de moda Fashionista.

Metalizados

Pausando o dourado, o outono-inverno fica nas mãos do prateado. O brilho metálico foi explorado nas coleções de marcas como Chanel, Nehera, Lemaire, Off-White, Balenciaga e Lutz Huelle. No entanto, a tendência não foi um exclusivo de Paris e, ao longo da temporada de moda, várias foram as casas a explorar o brilho da prata.

Capas

O clássico está de volta. As capas – trabalhadas em diferentes silhuetas, texturas e cores – dominaram as passerelles da Alexis Mabille, Koche, Liselore Frowijn, Veronique Branquinho e Chloé e assumiram-se como a tendência de outerwear vencedora de Paris.

Riscas

Uma Wang, Acne Studios, Melitta Baumeister, Issey Miyake e Rundholz alinharam as suas propostas com um dos mais revisitados padrões das últimas estações, provando que as riscas continuam a ser uma aposta segura nos guarda-roupas femininos, independentemente da estação.

Braços cobertos

Na próxima estação fria, de acordo com as coleções de marcas como Nina Ricci, Haider Ackermann, Carven, YProject e Dries Van Noten, os casacos de pelo vão sofrer uma atualização. Os pelos ficam circunscritos aos braços, que ganham volume e dramatismo. Milão começou a tendência, depois continuada por Paris.

Princesas

Zuhair Murad, Lanvin, Rodarte, Rochas e Alessandra Rich apostaram em silhuetas e paletas de cor leves e românticas, ideais para princesas urbanas.

Couro

Conhecida pela forte aposta em tons escuros – dentro dos quais o preto se destaca –, a passerelle de Paris soube manter-se fiel às origens graças aos casacos de couro. Stella McCartney, Akris, Mugler, Balenciaga e Alexander McQueen substituíram o Little Black Dress por blusões de couro preto em silhuetas oversized.

Cabeças com vida

Vivienne Westwood, Saint Laurent, Maison Margiela, Jacquemus e Undercover encaminharam para a passerelle modelos com acessórios para a cabeça, arrojados e de grandes dimensões.