Início Arquivo

ITV acompanha Indústria Transformadora

A Indústria Têxtil e de Vestuário (ITV) nacional registou nos primeiros dez meses de 2002 um decréscimo de 1,7% do volume de negócios face a período homólogo anterior. Este cenário de taxas negativas deve-se exclusivamente ao sector têxtil, já que registou uma diminuição de 4,0%, contrabalançado pelo vestuário cujo volume de vendas cresceu 1,4%. A análise da variação homóloga mensal permite constatar que Junho foi o mês que apresentou a menor variação homóloga no que respeita à facturação no vestuário, sendo possível perceber que este facto foi uma antevisão daquilo que iria suceder no têxtil, já que em Agosto assistiu-se à mais baixa variação homóloga das vendas de produtos têxteis (-16,0%). Aspecto importante está relacionado com o facto da diminuição do volume de negócios se ter limitado ao mercado externo, já que, segundo os dados preliminares, a redução das vendas da ITV portuguesa para o exterior foi de 4,3%, enquanto que entre fronteiras se assistiu a um acréscimo de 0,7%, em termos homólogos, nos primeiros dez meses de 2002. A redução das vendas não é exclusiva da ITV, já que na Indústria Transformadora a variação foi de (-) 0,2%, resultado da queda da procura interna (-0,9%), uma vez que o mercado externo exibiu-se com maior dinamismo (+ 0,7%). A evolução no emprego reflecte a continuidade do registado nos últimos anos, que se traduz numa diminuição do número de empregados na ITV nacional. No período compreendido entre Janeiro e Outubro de 2002 registou-se uma redução de 4,8% do número de efectivos afectos à ITV face ao período homólogo anterior. O sector de vestuário regista, mês após mês, decréscimos homólogos ligeiramente superiores ao têxtil (com excepção do mês de Setembro e de Outubro). A diminuição do número de trabalhadores é acompanhada por uma redução a ritmo inferior do valor das remunerações nominais. O valor das remunerações no sector têxtil decresceu 0,8%, face a período homólogo anterior e no vestuário diminuiu 1,2%. A Indústria Transformadora variou em contraciclo com a ITV, já que as remunerações cresceram 0,7% entre Janeiro e Outubro de 2002, face ao mesmo período de 2001. A análise completa encontra-se em www.portugaltextil.com .