Início Notícias Gerais

ITV discute novos modelos de negócio

“Novos modelos de negócio para a fileira têxtil e moda” é o tema que reúne hoje os empresários do sector têxtil e vestuário no XVIII Fórum da Indústria Têxtil, uma iniciativa da ATP e que constituirá a estreia oficial do seu novo presidente, Paulo Melo. Sonae, H&M, P&R Têxteis e Parfois são algumas das empresas participantes, numa edição que contará ainda com as intervenções de Paulo Portas e do Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

O Ministro da Economia irá intervir na abertura da 18.ª edição do Fórum da Indústria Têxtil, que se realiza hoje a partir das 14h no Citeve, em Vila Nova de Famalicão, após o discurso do novo presidente da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, Paulo Melo, que assumiu o cargo em julho passado, para um mandato até 2018.

Com o tema “Novos modelos de negócio para a fileira têxtil e moda”, o evento irá dedicar o primeiro painel a uma análise dos 20 anos do Fórum da Indústria Têxtil, a cargo de Paulo Vaz, diretor-geral da ATP e coordenador do Fórum da Indústria Têxtil.

André Robic, presidente do Instituto Brasileiro da Moda, irá apresentar as conclusões do Congresso Internacional de Negócios de Moda, antes do debate sobre o tema principal. Moderado por Nicolau Santos, diretor-adjunto do Expresso, a discussão terá comentários do economista Daniel Bessa e a participação de Ricardo Conceição, diretor-geral do Atelier des Créateurs, Patrícia Paulos, diretora do programa de fidelização da Mo e da Zippy na Sonae, Núria Ramirez, responsável do departamento de sustentabilidade na H&M España, Hélder Rosendo, diretor-geral da P&R Têxteis e Marco Almeida, diretor de expansão da Parfois.

O quarto e último painel será protagonizado por Paulo Portas, vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria, com uma intervenção sobre “Indústrias tradicionais, novos modelos de negócio, o mundo como mercado”.

«Criado para juntar a fileira têxtil e vestuário, de modo a discutir os problemas, que lhe são transversais e comuns, [o Fórum] privilegiou sempre uma dimensão prospetiva, capaz de antecipar tendências e auxiliar a formulação das estratégias individuais das empresas, atendendo a um contexto global cada vez mais difícil e complexo», explica Paulo Vaz, numa nota publicada no website da ATP, a entidade responsável pela organização. «A XVIII edição do Fórum não desmerece o seu histórico e a escolha dos palestrantes e do tema – “novos modelos de negócio para a fileira têxtil e moda” – continua a sinalizar a importância que o Fórum, tal como a sua entidade organizadora, outorgam à discussão das grandes tendências que marcam o futuro do sector», acrescenta.

A primeira edição do Fórum da Indústria Têxtil teve lugar em novembro de 1996, na Exponor, em Matosinhos, com o tema “Têxtil, um lugar no futuro”. Em 2002, na 5.ª edição, realizou-se na Fundação Cupertino de Miranda (ver Novo rumo precisa-se) e desde a 7.ª edição, em 2005 (ver 7º Fórum ATP anuncia Selo Dínamo para a ITV), passou a realizar-se anualmente no Citeve, com exceção de 2011 (ver Ordem para exportar) e 2014 (ver ITV com estratégia), anos em que decorreu na Alfândega do Porto, em paralelo com o Modtissimo.