Início Notícias Mercados

ITV dos EUA retoma a passos rápidos

A indústria têxtil dos EUA está a registar uma retoma dos negócios a um «ritmo rápido» como confirmam as informações de David Roberts, presidente reeleito do NCTO, uma recuperação sustentada pelo aumento das vendas de retalho e da procura dos consumidores.

[©Pixabay]

O crescimento observado no primeiro trimestre deste ano segue o impacto profundo da «crise de saúde e pandemia, que ocorre uma vez numa geração», no ano de 2020, afirmou David Roberts no discurso proferido durante o evento anual “State Of The US Textile Industry”.

Tendo aderido à resposta nacional de fornecimento de equipamentos de proteção individual no início da pandemia, o presidente do Conselho Nacional de Organizações Têxteis (NCTO na sigla original) salientou ainda que, os últimos 12 meses, «demonstraram ao Capitólio, à Casa Branca e à nação a resiliência da indústria, o know-how e a inovação».

Analisando os números dos últimos tempos, conclui-se que a pandemia de Covid-19 desencadeou uma recessão profunda e altos níveis de desemprego nos EUA no ano passado, com a produção industrial a baixar nos primeiros cincos meses de 2020, seguindo-se uma recuperação lenta na segunda metade no ano, noticia o just-style.com.

Também a atividade económica do sector industrial dos EUA aumentou em dezembro, constituindo o oitavo mês consecutivo de crescimento económico geral, segundo a análise dos negócios.

Das 18 indústrias de produção, o têxtil e o vestuário constaram entre os 16 sectores que evidenciaram um crescimento em dezembro, de acordo com o índice de produção do Institute for Supply Management. Essas tendências positivas repetiram-se nas análises de janeiro e fevereiro de 2021.

Segundo a associação comercial sediada em Washington, que representa os produtores têxteis nacionais, das fibras aos artigos confecionados, em 2020, o valor dos envios de fibras não-naturais, têxteis e vestuário dos EUA cifrou-se em 64,4 mil milhões de dólares (54,38 mil milhões de euros).

Embora a produção tenha caído em 2020, face a 2019, os últimos meses do ano passado denotaram uma tendência em alta, à medida que os envios cresceram gradualmente, recuperando a queda sentida em abril.

As exportações dos EUA sofreram também um declínio no ano passado, comparativamente a 2019, e as exportações de fibras, têxteis e vestuário totalizaram os 25,4 mil milhões em 2020.

As despesas de capital continuaram elevadas. Em 2019, o investimento na produção de fios, tecidos e artigos vestuário ascendeu a 2,38 mil milhões de dólares. Desde 2010, o investimento de capital na produção de fios, têxteis e vestuário americanos totalizou 19,9 mil milhões de dólares.

A cadeia de aprovisionamento do hemisfério ocidental continua a ser um motor económico crucial para a indústria têxtil e vestuário. «No ano passado, tivemos 28,5 mil milhões de dólares em comércio de têxteis com o Hemisfério Ocidental, o que dá suporte a dois milhões de empregos diretos em toda a cadeia de aprovisionamento regional», explica David Roberts, que é também CEO da Cap Yarns, fabricante de fios da Carolina do Sul.

«Tendo tudo em consideração, a volatilidade nas cadeias produtivas e na procura que vimos no primeiro semestre de 2020 começou a estabilizar-se um pouco no segundo semestre. Começamos a ver um aumento da atividade económica e uma retoma da procura, apontando para sinais promissores de uma recuperação – que era frágil, mas estável», acrescenta.

Questões políticas

No que diz respeito às políticas comerciais, Roberts destaca o foco da NCTO em promover políticas governamentais que apoiem os postos de trabalho e investimentos na indústria têxtil dos EUA, o fortalecimento e a fiscalização do comércio, a expansão da chamada «Emenda Berry» para equipamentos médicos e construir uma cadeia de aprovisionamento doméstica permanente de EPIs.

[©Freepik]
Os esforços para se envolver «em todos os níveis de contratação governamental e questões de aquisição» para levar produtos os EPIs necessários para os trabalhadores da linha da frente, que enfrentam a pandemia, «renderam à indústria mais de 20 milhões em meios não pagos só este ano».

Os legisladores introduziram quatro projetos de lei relacionados para os EPIs em 2020, incluindo o American PPE Supply Chain Integrity Act, que expandiu a Emenda Berry (que exige que o Departamento de Defesa compre têxteis e vestuário 100% fabricados com mão de obra nos EUA) para quase todas as compras federais destes equipamentos.

Houve ainda uma «vitória importante e há muito desejada para a indústria têxtil dos EUA» no Ato de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) do ano fiscal de 2021.

«Especificamente, conseguimos reduzir o limite de contratação da Emenda Berry para 150 mil dólares (depois de ter sido aumentado para 250 mil dólares pelo Congresso no projeto de lei do ano fiscal de 2017) e encadear aumentos futuros no índice de preços ao consumidor, um feito que exigiu um esforço considerável da nossa parte», destaca o presidente do NCTO, salientando que a redução deste limite vai «reservar mais 50 milhões de dólares para contratos compatíveis com a Emenda Berry para fabricantes domésticos de têxteis que fornecem para as forças armadas dos EUA».

A NCTO tem já outras questões em curso, como «uma nova lei de tarifas diversas que concede alívio sobre materiais de componentes indisponíveis, mas que não permite o alívio de direitos desnecessários em têxteis acabados sensíveis» e ainda o envolvimento contínuo na oposição às tentativas dos importadores de expandir o Sistema de Preferências Generalizadas para o vestuário e o calçado de 119 países menos desenvolvidos, uma vez que «colocaria em risco os mais de dois milhões de empregos na indústria têxtil e vestuário dos EUA na região do hemisfério ocidental».

«Sem exceção, a NCTO está altamente envolvida em todas as questões políticas que afetam a indústria têxtil dos EUA, com a intenção de moldar as determinações das políticas de uma maneira que beneficie diretamente o investimento, a produção e a força de trabalho dos EUA», garante o presidente. «Estou otimista quanto ao futuro, sabendo que faço parte de uma indústria que estabeleceu um compromisso incrível com a nossa nação, juntamente com a disposição de chegar até aqueles que precisam de ajuda», conclui David Roberts.