Início Arquivo

ITV estrangeira investe na Etiópia

Ayka (Turquia) Uma das maiores empresas de têxteis e de vestuário da Turquia, a Ayka Textile Industry, fundada em 1988 em Istambul, instalou uma filial na Etiópia, a Ayka Addis, com um capital de 100 milhões de dólares. A empresa está localizada em Alem Gena, a 18 km a Oeste de Adis Abeba e emprega actualmente cerca de 5.000 trabalhadores. No seu auge, irá corresponder a mais de 10.000 empregos. A empresa tornou-se totalmente operacional em Abril de 2010 e planeia fabricar os seus produtos em duas fases. A primeira fase envolverá a fiação (20 toneladas/dia) e confecção de malhas (40 toneladas/dia), enquanto a segunda fase incluirá os acabamentos e a produção de vestuário para cumprir a sua meta de exportar 70 milhões de dólares de produtos no primeiro ano e 100 milhões de dólares a partir do segundo ano em diante. A empresa é considerada a maior unidade têxtil integrada na África subsaariana e, como tal, é vista como modelo para atrair outros investidores potenciais para a Etiópia, sendo uma referência para a indústria têxtil e de vestuário do país. Saygin (Turquia) Uma joint-venture entre o governo da Etiópia e os investidores turcos criou uma nova unidade têxtil no valor de 78,5 milhões de dólares. Baptizada Saygin Dima Textile Factory, pela união entre a empresa turca Saygin e a região Dima, onde a unidade está localizada, perto de Adis Abeba. A produção começou em Janeiro de 2011 e inclui instalações para a fiação, tecelagem e tinturaria. A Agência de Privatização e Empresas Públicas da Etiópia detém uma participação de 60%, enquanto os restantes 40% são propriedade da empresa turca. É obrigatório exportar pelo menos 50% da sua produção. O Ministério do Comércio e da Indústria etíope espera gerar 50 milhões de dólares em receitas de exportação quando a unidade estiver plenamente operacional. Nepsa (Turquia) A Nepsa Textile Plc, que é uma subsidiária de um dos maiores produtores de têxteis da Turquia, está prestes a abrir uma fábrica na Etiópia, com um investimento inicial de quase 1,5 milhões de dólares. Prevê-se que a empresa exporte 50% da sua produção. Investimento indiano O Export Credit Guarantee Corporation (ECGC) da Índia qualifica a Etiópia na segunda posição, após a África do Sul, entre os principais destinos de investimento. Foi alcançado um acordo de colaboração entre os dois países, abrangendo o sector financeiro, a geração de energia hidroeléctrica e as indústrias de curtumes e têxtil. Spintex (Índia) A Spintex, criada na Índia em 1972, produz máquinas para fiação, tecelagem e tricotagem e será proprietária exclusiva da fábrica que está a montar na Etiópia. O Ministério do Comércio e Indústria etíope concedeu um empréstimo para o projecto e a Spintex irá produzir 100 toneladas/dia de fio. A Spintex espera exportar mil milhões de dólares de produtos por ano ao longo de sete anos. A empresa também recebeu apoio na forma de 50.000 hectares de terreno para o cultivo de algodão. Empresas dos EUA A empresa Almeda Textiles, membro do Effort Group, é uma das maiores empresas de têxteis verticalmente integradas na Etiópia, com fiação, tecelagem, acabamento e confecção. Assinou acordos com duas empresas norte-americanas, Atlas Manufacturing Group e Pinnacle, para estabelecer relacionamentos de longo prazo no sector do vestuário. Intervenção externa A indústria têxtil e de vestuário original da Etiópia sofre de ineficiências e de baixa utilização da capacidade instalada. O foco está na reestruturação, recuperação, modernização e, finalmente, a privatização. Em consonância com essas necessidades, o Program Aid da Itália tem apoiado o Ministério da Indústria e Comércio etíope com a reabilitação de sete empresas têxteis e de vestuário estatais já identificadas para a privatização, com um orçamento de 9 milhões de euros. A privatização destas empresas está em fase de negociação com investidores locais, bem como italianos, turcos e japoneses, tendo em perspectiva a promoção das exportações do país.