Início Arquivo

ITV luta contra a crise – Parte 1

A indústria têxtil e do vestuário (ITV) da Letónia tem sido duramente atingida pela recente inversão económica do país. Nos primeiros 10 meses de 2008, a produção das empresas têxteis e de vestuário diminuiu entre 7% e 10%, com maior incidência ao longo dos últimos meses, conforme foi divulgado pela Associação da Indústria Têxtil e do Vestuário da Letónia. Prevê-se que este número se mantenha em queda. O presidente da associação têxtil do país, Guntis Strazds, afirmou, contudo, que a maioria das empresas está ainda a continuar com as suas operações, conforme acontecia antes da crise atingir a região. «Segundo as informações de que disponho, todas as empresas têm encomendas, mas não é fácil responder a esses pedidos quando todas as despesas estão a crescer», sustenta Strazds. O responsável acrescenta que as empresas estão a esforçar-se para economizar, enquanto tentam fazer malabarismos com os preços ainda elevados da energia, bem como dos custos de produção. Segundo Strazds, o actual volume de produção das empresas têxteis da Letónia está estimado em torno do nível registado em 2006, ano em que a produção atingiu cerca de 587 milhões de dólares. De acordo com os dados da associação, as empresas têxteis da Letónia produziram, em 2007, o equivalente a 612 milhões de dólares, evidenciando um crescimento de 4,5% em relação a 2006, e exportaram produtos no valor de 498 milhões de dólares, o que representou uma subida de 2,6% em relação ao ano anterior. A associação baixou consideravelmente as suas expectativas de produção total em 2008 mas, curiosamente, esta espiral descendente iniciou-se antes da recente turbulência financeira que assolou os mercados mundiais. Em Junho de 2008, Strazds revelou aos jornalistas que já tinha havido uma queda nas exportações de têxteis e vestuário para os mercados da União Europeia, na medida em que os produtores da Letónia eram cada vez menos capazes de competir com os preços mais baixos das empresas estrangeiras. Além disso, os custos crescentes da energia vieram agravar a competitividade da indústria nos próximos anos, tanto nos sectores têxtil como do vestuário. Embora a existência de mercados internacionais competitivos seja geralmente considerada como positiva, na Letónia verifica-se precisamente o contrário, na medida em que a crescente concorrência foi acusada de conduzir as pequenas empresas para fora do negócio. Os trabalhadores desempregados são muitas vezes obrigados a deslocarem-se para o estrangeiro para encontrar trabalho. A empresa Lauma Lingerie, por exemplo, que começou a produzir roupa interior feminina na Letónia durante a era soviética, na década de 1960, anunciou em Abril que ia despedir 100 funcionários das suas instalações na cidade de Liepaja, deslocando a produção para a China e Bielorrússia. O motivo foi simples: mão-de-obra mais barata. Na segunda parte deste artigo vamos continuar a analisar o caso da indústria têxtil e de vestuário na Letónia.