Início Notícias Moda

ITV nacional veste equipas do Pavilhão de Portugal

Onze empresas lusas de têxteis, vestuário e calçado juntaram-se, sob a égide do CENIT em parceria com a ANIVEC e o apoio da APICCAPS, para fabricar as fardas das equipas do Pavilhão de Portugal na Expo Dubai, procurando assim dar mais um passo na estratégia de posicionar a indústria de moda nacional como uma das melhores da Europa e do mundo.

[©ModaPortugal]

«A Europa é o principal centro da Indústria da Moda no mundo, uma tradição enraizada na história, no território, na cultura e no estilo de vida europeu, e a Indústria Têxtil e do Vestuário portuguesa é um elemento fundamental desta Indústria da Moda europeia», afirma o presidente da ANIVEC, César Araújo, destacando que as empresas portuguesas gerem cadeias de fornecimento de elevada exigência e respondem aos mais exigentes desafios colocados pelas dinâmicas e tendências internacionais de consumo.

[©ModaPortugal]
[©ModaPortugal]
O desafio de desenvolver e produzir o fardamento das equipas do Pavilhão de Portugal, no âmbito da Expo 2020 no Dubai, que abre portas no dia 1 de outubro, foi lançado pela própria ANIVEC ao AICEP.

«Este projeto é o resultado da mobilização de várias empresas de três setores (têxtil, vestuário e calçado) que, de forma exemplar, reafirmaram a sua excelência criativa e industrial, em linha com a sua experiência em disponibilizar soluções para desafios de complexidade e escala num curto período de tempo», explica César Araújo.

[©ModaPortugal]
[©ModaPortugal]
Com a coordenação do CENIT e da ANIVEC, a colaboração da APICCAPS e a chancela do projeto MODAPORTUGAL, as empresas Belcinto, Calvelex, Carité, Lameirinho, Marfel, Paulo de Oliveira, Polopiqué, Riopele, Trotinete, Twintex e Vandoma participaram no fabrico das fardas, incluindo vestuário, calçado e acessórios, que foram criadas pelo designer Filipe Augusto, num projeto com curadoria de Miguel Flor.

«Com estratégia e com os necessários investimentos, a fileira da moda portuguesa pode assumir a liderança no desenvolvimento de um modelo industrial de vanguarda que permita a transição para “Fábrica do futuro – NextGeneration”», acredita o presidente da ANIVEC.