Início Notícias Mercados

ITV turca em modo de sobrevivência

A indústria têxtil e vestuário turca conseguiu reestabelecer as relações com as principais marcas de moda e retomar as encomendas e os pagamentos que tinham ficado em suspenso com a pandemia. Apesar do regresso à produção, os pedidos são agora de pequenas séries e a queda das exportações está entre 15% e 20% face a 2019.

[©Tutunculer]

No início do ano, os produtores de vestuário da Turquia ficaram com cerca de 3,5 mil milhões de dólares (cerca de 3 mil milhões de euros) em inventário e encomendas suspensas, após os clientes de retalho os terem abandonado devido à pandemia, com cancelamento de contratos, adiamento de encomendas e atrasos nos pagamentos.

Entidades como a associação de produtores turcos de vestuário TGSD (Türkiye Giyim

Sanayicileri Dernegi) enviaram uma carta a denunciar a situação que foi publicada na newsletter de abril da ITMF – International Textile Manufacturers Federation.

Após longas discussões e “diplomacia” entre as marcas e os produtores, a maior parte dos compradores concordou agora concluir e pagar as encomendas anteriores, revela Hadi Karasu, presidente da TGSD, ao just-style.com. «Levou cerca de dois meses, até ao final de julho e início de agosto, para resolver a situação com o mínimo de danos, como alguns descontos e pagamentos mais tarde», afirma. «As grandes marcas recuperaram mais rápido em termos de compras e pagamentos, por isso parece que o período de choque, quando eles estavam em pânico, acabou», explica o presidente da TGSD.

Hadi Karasu [©TGSD]
Um produtor turco, que pediu para se manter no anonimato com receio de colocar em causa futuras relações comerciais, assegura que as marcas se mostraram muitas vezes arrependidas, começando os emails com «agradecemos o que fizeram por nós».

«Podemos dizer que as más relações, a falta de pagamento e encomendas suspensas foram geridas de forma relativamente amigável e as marcas assumiram as suas responsabilidades perante a situação. Cerca de 80% a 90% das encomendas foram enviadas, pagas ou foi estabelecido um plano de pagamento, por isso o clima não é tão mau quanto foi. Mas custou muito a ficar tudo resolvido», admite Hadi Karasu.

Aprovisionamento em mudança

Cerca de 80% da produção de têxteis e vestuário da Turquia parou nos primeiros meses da pandemia, numa altura em que o governo turco concedeu apoio financeiro que cobriu até 30% dos salários. E embora Karasu garanta que um certo sentido de normalidade está a voltar ao sector, algumas marcas ainda não estão a agir de forma responsável, assinala.

«Algumas marcas, incluindo até marcas de luxo, que compraram produtos que não vendem, estão a voltar ao produtor e a pedir um desconto de 20%», adianta o presidente da TGSD.

Além disso, apesar do “armistício” geral entre as marcas e os fornecedores turcos, Hadi Karasu insiste que no futuro vai haver mudanças na forma como as encomendas são feitas e cumpridas. «A cadeia de aprovisionamento tem de ser reestruturada», sublinha em declarações ao just-style.com.

A TGSD quer renegociar os contratos de fornecimento, com novas discussões entre produtores e marcas agendadas para a conferência Istanbul Moda Konferansi, que está agendada para 8 e 9 de outubro.

As encomendas para a próxima estação, de resto, estão a regressar, mas o processo mudou. «No passado, as marcas encomendavam, vamos dizer, 100 peças para uma estação completa, agora estão a dividir em ciclos de 20, planeando apenas para um ou dois meses em vez de três a seis meses», esclarece Karasu.

Para o presidente da TGSD, a Turquia está numa posição forte para responder a estas encomendas mais rápidas e mais pequenas, sobretudo para a Europa, continente para o qual é um centro de produção de proximidade. «Com lead times de duas a três semanas, podemos facilmente produzir e repor encomendas que podem ser enviadas por camião para uma loja na Europa em cinco dias», acrescenta.

[©Kardem]
As vendas de sportswear e de activewear estão particularmente fortes, uma vez que os consumidores continuam a ficar por casa, com menos encomendas de vestuário formal e de luxo.

Hadi Karasu desvenda que a indústria têxtil e vestuário da Turquia perdeu cerca de 2 mil milhões de dólares em exportações na sequência do surto de Covid-19, mas que recuperou cerca de mil milhões de dólares em volume de negócios com a produção e exportação de vestuário para a área da saúde e equipamentos de proteção individual.

«Recuperámos cerca de mil milhões de dólares, mas as exportações ainda estão com uma quebra entre 15% a 20% [em comparação com 2019]. Estamos em modo de sobrevivência», reconhece o presidente da TGSD.