Início Destaques

ITV turca sob alta tensão

Numa altura em que as tensões diplomáticas entre a Turquia e a Rússia estão a agravar-se, depois de um avião da Força Aérea turca ter derrubado um bombardeiro russo sobre a fronteira síria, em novembro último, crescem também as preocupações sobre os impactos destes problemas geopolíticos na indústria de vestuário do primeiro.

O presidente russo, Vladimir Putin, recorreu a uma linguagem ríspida para antagonizar os líderes turcos sobre o incidente, que já se refletiu na imposição de sanções económicas contra a Turquia, nomeadamente a suspensão das ligações de voos turísticos de baixo custo entre os dois países, a obrigatoriedade de vistos, o congelamento dos acordos comerciais e o embargo à compra de legumes e frutas.

E ainda que seja desconhecido o real impacto destes acontecimentos na indústria têxtil e vestuário (ITV), as preocupações têm vindo a crescer devido ao peso do sector – de acordo com os dados da agência de estatísticas russa Rosstat, entre janeiro e setembro de 2015, a Rússia importou cerca de 14 milhões de dólares (aproximadamente 13 milhões de euros) em têxteis e vestuário “made in Turkey”.

Paul Morris, um consultor têxtil independente do Reino Unido que tem vindo a conectar marcas britânicas com produtores turcos desde meados dos anos 1980 e que trabalhou com a Marks & Spencer, Next e Tesco, referiu ao portal just-style.com que «se as coisas piorarem, a Turquia vai reagir. Eles não se vão deixar pressionar e a Rússia vai saber que a Turquia não é a Ucrânia».

Sanções mais severas vão acabar por originar um desvio significativo dos níveis da produção têxtil e de vestuário turcos. O resultado «poderá beneficiar as marcas britânicas [por exemplo] à medida que os preços forem caindo», acredita Morris. Já Buzz Carter, fundador da feira de sourcing londrina Fashion SVP, afirma que «a economia turca tem vindo a sofrer há algum tempo e ainda recentemente sofreu com o bloqueio russo, sendo que a Rússia é o seu maior mercado».

Carter ressalva que face à desvalorização da lira turca e à débil economia russa, os exportadores turcos têm vindo a explorar mercados alternativos: houve 17 expositores turcos na edição de setembro da Fashion SVP, em Londres.

A Turquia tem, também, sofrido com a insegurança no Sul, perto da fronteira com a Síria, por causa da presença do Estado Islâmico no terreno. Na região de Adana, conhecida pela produção de algodão e comércio de lã, as questões de segurança podem representar maiores dificuldades, aponta Morris, ainda que a maior parte da indústria têxtil e vestuário do país esteja localizada a Oeste, longe dos problemas.

As alternativas

Para agravar estas dificuldades estão os concorrentes do Norte de África, como Marrocos e a Tunísia, ameaças reais para a Turquia na medida em que estão prontos para oferecer alternativas de sourcing de proximidade aos compradores europeus.

Emmanuel Bisi, diretor da consultora britânica Expandys, refere que «os dados sobre a evolução salarial na Turquia mostram que o salário mínimo do país está a crescer de forma mais rápida do que em Marrocos». «Os compradores que conheço olham para Marrocos como uma alternativa real se a situação piorar na Turquia», acrescenta Bisi.

Sendo que os compradores do Arcadia Group, detentor de marcas como a Topshop e Dorothy Perkins, a par dos da marca Monsoon, já marcaram presença na última edição da Maroc in Mode e Maroc Sourcing.

«A maior pressão económica da Turquia é o facto de a recessão ter afastado o capital de investimento e é disso que eles precisam; isso significa que a lira turca perdeu valor e, por consequência, as matérias-primas que o país precisa de comprar ao exterior custam mais», explica Morris, acrescentando que «é sempre preciso ter um plano B e C», em termos de soluções de sourcing.

Dito isto, considera o just-style.com, ainda há esperança. A Turquia ainda tem a vantagem competitiva em termos de capacidade e uma cadeia de aprovisionamento vertical para a produção de tecidos e moda, destaca Morris. E, em termos de qualidade, «é preciso muito para vencer a Turquia», considera o consultor.