Início Destaques

JF Almeida abre as asas

Crucial para a estratégia de internacionalização do negócio dos fios, a JF Almeida apresentou, na Première Vision Paris, propostas mais sustentáveis na sua gama Papilio e um novo fio que faz 360º ao ciclo produtivo da fiação.

360 é o nome do mais recente fio no portefólio da empresa e responde à procura de produtos mais sustentáveis por parte dos clientes. «É um fio na base da economia circular. Pegámos nos desperdícios da nossa tecelagem e conseguimos voltar a transformar em fio», explica João Almeida.

A aposta é muito recente e implica diversos testes, alguns dos quais ainda em execução. «Para já conseguimos fazer até ao Ne 8, que é um fio grosso», revela o administrador ao Jornal Têxtil. «Vamos agora começar a fiar um fio mais fino», acrescenta.

Foco na sustentabilidade

O fio 360 – batizado durante a viagem de avião para Paris – é composto por 90% algodão e 10% poliéster, tudo completamente reciclado. «Tivemos que selecionar todos os desperdícios. Depois pegámos nas diversas matérias-primas, ensacámos, enfardámos e mandámos para a moagem num parceiro», conta João Almeida. Posteriormente é feita a fiação em rotores open-end, já dentro da empresa. «A JF Almeida tem que promover a economia circular», afirma o administrador. É este processo que justifica o nome do fio. «O 360 é porque a matéria-prima começou aqui e volta aqui outra vez. O desperdício volta a ser útil», resume.

Uma adição ao portefólio cada vez mais “verde” da empresa, que em Paris assumiu como assinatura “keep calm, we reduce water” em referência a um novo processo de tingimento do Papilio que permite reduzir o consumo de água. «Com 12 litros de água consigo fazer uma cor do Papilio. Estamos a otimizar o processo nesse sentido», refere o administrador.

Ordem para exportar

O negócio de fios da JF Almeida deu os primeiros passos na internacionalização há pouco mais de um ano, com a primeira presença na Première Vision em setembro de 2017. Três edições depois, a empresa e a sua marca Papilio começam a ser um nome reconhecido entre os milhares de visitantes do certame e, tal como a borboleta que lhe serve de logótipo, está a levantar para voos cada vez mais altos. «Na primeira vez estávamos com um stand de nove metros quadrados, agora já estamos com 18 metros quadrados. Há um ano não exportávamos nada, neste momento já estamos em 17 países», aponta João Almeida.

A Europa – nomeadamente mercados como a Dinamarca, a Polónia, a República Checa, Espanha, França, Itália e Reino Unido – é o principal destino das exportações do negócio de fios da JF Almeida, que representou cerca de 7% do volume de negócios da empresa em 2017, ou seja, aproximadamente 6 milhões de euros. «Em Portugal, os fios tintos são o nosso maior mercado. Mas também estamos a crescer por causa da exportação. Este ano devemos registar um aumento de faturação de quase 8%, entre fios tintos e estampados», anuncia o administrador.

A exportação é, por isso, a grande aposta do negócio dos fios da JF Almeida, que além da Première Vision está a marcar presença em vários certames europeus, que lhe têm valido contactos interessantes junto das grandes marcas internacionais. «Na Filo [em Itália] tivemos o contacto de um cliente que trabalha diretamente com a Gucci e os nossos fios foram usados para fazer um casaco que foi apresentado na coleção da Gucci», revela João Almeida. «Naturalmente que ainda não há grandes produções, mas é muito bom», confessa.

Novo negócio

A somar à fiação dentro de portas, a JF Almeida está ainda a assumir uma vertente de trading nos fios, para «complementar o negócio», justifica. «Começámos a importação de fio cru no final do ano passado. Fechámos o ano com 500 mil euros, este ano já vamos quase com 2 milhões de euros», adianta João Almeida.

Apesar do crescimento do negócio, os números não são a única coisa importante para o administrador da JF Almeida. «Naturalmente que os números têm de vir, não é só gastar dinheiro, é preciso que seja rentável. Mas quando avancei com a Papilio, o maior desafio era que a marca fosse conhecida. E acho que está a ter sucesso», assegura o administrador da JF Almeida.