Início Arquivo

Joaquim Cardoso está de volta à têxtil

Dois anos depois de abandonar a Maconde, Joaquim Cardoso está de volta ao negócio têxtil. Criando a SDV – Sociedade de Distribuição de Vestuário, o empresário trabalha agora em parceria com a Jerónimo Martins, no que diz respeito à redefinição da parte têxtil nos hipermercados Feira Nova. A SDV, que iniciou esta parceria nos primeiros meses de 2003, tem sede em Ermesinde e conta com 18 funcionários. Chegando à conclusão de que as superfícies da área têxtil precisavam de ser tratadas de uma outra forma, o grupo Jerónimo Martins decidiu partir para a aproximação a Joaquim Cardoso, um operador com «profundo conhecimento do sector têxtil, com “know-how” de mercado e uma grande carreira», refere ao Jornal de Negócios Sandra Silva, responsável de comunicação da Jerónimo Martins. A SDV funciona como uma «central de compras» completa, sendo que o Feira Nova cobra uma percentagem sobre o valor das vendas realizadas pela SDV nas suas lojas. A empresa de Joaquim Cardoso trabalha na definição da colecção, coloca a produção em empresas portuguesas ou estrangeiras, assegura a logística e distribuição para as 25 lojas Feira Nova e assume ainda, a responsabilidade do “lay out” do espaço comercial. No que diz respeito à Feira Nova, para além de contribuir com o espaço, também intervém na política de preços e promoções. Neste momento, a estudar a possibilidade de criar marca própria, à semelhança do Continente, Auchan ou Carrefour, a parceria terá os seus primeiros resultados na colecção de Outono-Inverno que abrange o vestuário de senhora, homem e criança, assim como uma linha de têxteis-lar. Sandra Silva diz ainda ser cedo para fazer uma avaliação afirmando, no entanto, que o «Feira Nova acredita que vai ajudar a dar um salto qualitativo na área têxtil». Esta foi uma acção inovadora entre os concorrentes deste segmento em Portugal, onde os hipermercados têm alcançado uma crescente importância no retalho têxtil. O Feira Nova registou, em 2002, vendas no valor de 659 milhões de euros, sendo que a área têxtil representou cerca de 30 por cento.