Início Notícias Retalho

Laboratório omnicanal

Um novo laboratório, sediado em Xangai, permite que as empresas do sector do retalho testem novas tecnologias de omnicanal e avaliem as tendências emergentes que, gradualmente, estão a moldar o futuro do sector.

A iniciativa é liderada pelo Grupo Fung, multinacional sediada em Hong Kong, que dispõe de marcas internacionais e operações de retalho em todo o território chinês, sendo também proprietário do gigante de sourcing Li & Fung.

Denominado Explorium, o laboratório é operado em parceria pela IBM, especialista em tecnologia de análise de dados, e pela empresa de ativação de marca Pico. Ocupa os mais de 23 mil metros quadrados que compõem o espaço de exposição comercial de LiFung Plaza, providenciando um ambiente controlado de observação e exploração em tempo real, no qual as empresas podem analisar como os consumidores interagem com as novas tecnologias, produtos e ambientes.

As marcas recorrem, também, ao Explorium para compreenderem as oportunidades existentes para os seus produtos e serviços em território chinês, com base no feedback dos consumidores, que é recolhido e analisado em laboratório. Os retalhistas estão a usar este mecanismo para testar diferentes conceitos de loja.

Victor Fung, presidente do Grupo Fung, afirma que a iniciativa é estimulada por desafios que ocorrem no sector do retalho à escala mundial, especialmente na China.

«Tudo o que pensávamos que sabíamos sobre como os consumidores decidem o que compram, onde compram, quando compram, como compram e como pagam, está a mudar», explica Fung. «A tecnologia é o catalisador do empoderamento dos consumidores. A internet e as comunicações móveis estão a transformar a forma como os consumidores se comportam e, ao fazê-lo, proporcionam oportunidades únicas ao retalho de criar novos modelos de negócios. Em nenhum lugar isto é mais evidente do que na China, um dos mercados de retalho mais emocionantes e desafiadores do mundo».

Fung acredita que o futuro do retalho, na China e em todos os mercados mundiais, passa pelo omnicanal – o sistema online-to-offline (designado O2O) ou uma combinação de loja física e digital.

«Os consumidores chineses estão a definir as tendências de compras a nível mundial, especialmente com o seu uso ávido dos meios de comunicação social. E Xangai é, sem dúvida, a casa dos consumidores mais vibrantes e tecnologicamente informados da China. Por isso escolhemos Xangai como a rampa de lançamento desta importante iniciativa do Grupo Fung», acrescenta.

As marcas e retalhistas participantes são incentivados a experimentar, incubar e interagir rapidamente, «reduzindo o seu custo e risco», sem ideias pré-concebidas sobre quais os modelos de negócio omnicanal que emergem do Explorium.

A IBM está a recolher dados, analisando-os de seguida, para ajudar os retalhistas «a darem interações personalizadas de marketing relevantes aos consumidores, em tempo real, deliciando-os e diferenciando o retalhista da concorrência», segundo Stephen Laughlin, responsável da área de retalho da IBM.

Os consumidores poderão receber ofertas e recompensas das suas marcas favoritas através dos media sociais e dispositivos móveis – adequados à sua localização e preferências individuais.

Embora os produtos infantis, como brinquedos, constituam um elemento importante da primeira fase do Explorium, o projeto incluirá também vestuário feminino e masculino.

«A prioridade da Explorium nos próximos meses será projetar, construir, executar e aferir um maior número e variedade de experiências, de forma a produzir um conjunto de dados que permita às marcas e retalhistas participantes obter perspetivas únicas para os seus negócios individuais», resume Simeon Piasecki, diretor do projeto em Xangai.