Início Notícias Vestuário

Levi’s transforma jeans velhos em roupa nova

Em prol de um caminho em torno da sustentabilidade, a marca de vestuário americana introduziu uma nova matéria-prima nos jeans que é composta por algodão reciclado de modelos Levi’s e polpa de madeira. A tecnologia é da start-up sueca Renewcell e é um passo importante para um modelo de economia circular.

[©Levi's]

Circulose é o nome da nova matéria-prima para as calças Levi’s que, ao utilizarem esta tecnologia, passam a ser parcialmente constituídas por jeans antigos em fim de vida. Deste modo, a marca americana faz o reaproveitamento de um produto já desgastado e cria um novo, contribuindo para o conceito de circularidade no negócio. Uma solução que permite à Levi’s dar mais um passo em frente na direção da sustentabilidade, aponta a Fast Company.

A relação da Levi’s com a Renewcell foi estabelecida há mais de dois anos, precisamente para conseguir um modelo de negócio circular, dado que na análise relativa ao ciclo de vida de um produto, a matéria-prima é um dos aspetos que tem maior impacto, explica Paul Dillinger, vice-presidente global de inovação de produto da Levi Strauss.

Para fazer um par de calças em algodão é necessário gastar mais de 2.500 litros de água, uma quantidade muito superior quando comparada com a água que os consumidores gastam durante as lavagens em todo o ciclo de vida das calças. Ao usar tecido feito, em parte, com algodão reciclado, a pegada hídrica, de carbono e também química vão diminuir substancialmente.

A tecnologia tradicional de reciclagem, que corta o algodão em pedaços pequenos, também não resulta bem porque danifica o valor da matéria-prima. «Normalmente é usado em isolamento porque não tem a mesma qualidade da fibra com que se começou», afirma Paul Dillinger. Já a start-up sueca usa uma tecnologia diferente que permite reconstruir o algodão, dissolvendo-o e acrescentando a polpa de madeira através de pequenas fieiras para formar fibras mais longas e com maior qualidade.

Deste processo advém o novo material denominado de Circulose, que é uma viscose, que passa a ser empregue em vez do algodão. Por ser um material com uma textura diferente, os designers optaram por fazer os novos jeans com um tecido que, além desta matéria-prima, utiliza também algodão orgânico. Neste momento, as calças têm uma composição de 40% Circulose, que é feita metade com vestuário reciclado e a outra metade com polpa de madeira.

Detalhes e conseguir realidade

O objetivo da Levi Strauss é aumentar a percentagem deste novo material em cada par de calças para que possam ser cada vez mais ecológicas e, consequentemente, alcançar uma pegada ambiental bastante inferior. «Podemos chegar a uma altura em que teremos eventualmente peças de vestuário feitas com 100% de algodão reciclado. Existem formas de fazer com que a fibra se pareça cada mais com algodão e isso requer um pouco mais de pesquisa e desenvolvimento», avança o vice-presidente global de inovação de produto.

[©Renewcell]
A Levi Strauss está a pensar também em todos os detalhes para que os jeans, na totalidade, possam ser reciclados de forma ainda mais eficaz, o que faz com que a empresa esteja também focada em pormenores como acabamentos e etiquetas. «Não se pode simplesmente fazer qualquer coisa nestes produtos, eles têm de ser pensados para a circularidade», acrescenta Paul Dillinger. Para verificar se a tecnologia resultava, a empresa americana enviou um par de calças para a Renewcell, que foi bem-sucedida em transformá-los num novo tecido pronto para dar origem a um outro produto.

Ao invés de estar a desperdiçar mais recursos, com esta tecnologia é possível produzir novo material, dado que não há falta de vestuário em fim de vida ou inutilizado, tendo em conta que os americanos se desfazem anualmente de quase 12 toneladas de têxteis, um valor que tem tendência para crescer. «Ao olharmos para as novas iniciativas regulamentares da UE, que fazem com que seja ilegal colocar vestuário em aterros, a macroeconomia passa a estar a favor do uso de roupa descartada como recurso. Está a ficar caro enviar este tipo de coisa para os aterros. Na verdade, há uma grande oferta pronta para ser aplicada», conclui.