Início Notícias Têxtil

Lipaco aponta aos EUA

A produtora fios e linhas de costura tem crescido na Europa, em especial no mercado francês, mas está empenhada em continuar a apostar na exportação e os EUA são o mais recente alvo da Lipaco.

Jorge Pereira

Com uma taxa de exportação a rondar os 45%, a Lipaco tem vindo a crescer lá fora e o ano passado não foi exceção. Num ano de retoma, Jorge Pereira, CEO da empresa, afirmou que «é essencialmente o mercado europeu que tem evoluído de forma mais positiva», com destaque para França que, não sendo o mais relevante, «é um dos países onde mais temos crescido».

Em 2021, a especialista em linhas de costura e fios conseguiu regressar ao nível de faturação de 2019, com um volume de negócios de 2,6 milhões de euros, um valor que deverá aumentar em 2022, de acordo com as expectativas, ainda reservadas, reveladas pelo CEO ao Jornal Têxtil durante o Modtissimo. «Temos previsto crescer bastante, mas ainda é muito cedo para me pronunciar sobre isso, acho que vivemos tempos muito estranhos para fazer previsões», confessou.

Aliás, admitiu, o ano «é uma incógnita, tudo depende se realmente vamos ter uma liberdade mais normal ou não, se as pessoas vão continuar entusiasmadas como me parecem estar neste início de ano. Se assim for, contamos poder ter um ano melhor do que aqueles que estão para trás». Contudo, reconheceu que há entraves que se colocam ao crescimento. «Finalmente parece que estamos a começar a sair lentamente de uma vida pouco normal para entrar numa vida um bocadinho mais normal, mas vivem-se outras dificuldades, como os preços das matérias-primas e da energia, os aumentos consecutivos dos transportes e por aí fora, que o mercado tem alguma dificuldade em aceitar e absorver e que baralham as regras do jogo», explicou ainda antes da invasão da Ucrânia pela Rússia, que veio complicar mais o mercado energético e não só.

O mercado externo será, garantiu Jorge Pereira, o grande impulsionador do crescimento da Lipaco nos próximos tempos. «É uma das nossas grandes apostas. Obviamente que o mercado interno é muito importante para nós, temos um carinho muito especial por ele, e vai continuar a ser, mas o mercado externo também. É onde mais temos crescido e queremos continuar a fazer aí o nosso trabalho», anunciou.

Ordem para investir

A empresa concluiu recentemente um investimento de 1,5 milhões de euros, que permitiu ampliar as instalações, aumentar a capacidade e melhorar a eficiência. «Fizemos investimentos quer na tinturaria, quer nos laboratórios, quer na parte de acabamentos e mesmo no layout da empresa. Foram feitas grandes alterações ao longo destes últimos tempos», avançou o CEO, acrescentando que parte do capital foi usado «na área da sustentabilidade, no reaproveitamento das águas e da energia».

Outra área que a Lipaco tem procurado rentabilizar é a da investigação e desenvolvimento, propondo uma oferta cada vez maior ao nível dos produtos reciclados. «Tudo o que esteja relacionado com a sustentabilidade tem cada vez mais procura. Começou-se a compreender que todos temos que olhar um bocado mais pelo nosso futuro», assegurou o CEO da empresa, que ostenta uma carteira de produto «diversificada, quer na área das linhas, quer na área dos fios».

Ainda sem abrir completamente o jogo, até porque há alguns meses para maturar conceitos, a Lipaco está a preparar novidades para apresentar na próxima edição da Techtextil, que se realiza de 21 a 24 de junho. «No fundo será tudo relacionado com matérias-primas e produtos reciclados, que é a grande tendência, e com a circularidade. Estamos a desenvolver esses produtos para ter novidades nessa altura», desvendou Jorge Pereira.