Início Arquivo

Mais ”megalojas” Benetton

O grupo Benetton progrediu em 2001 mas perdeu rentabilidade. O seu volume de negócios consolidado aumentou 4% atingindo 2,1 mil milhões de euros, enquanto que o seu resultado líquido consolidado baixou para 163 milhões de euros, contra 174 milhões de euros em 2000. Mas este ano, o grupo italiano registou uma forte mais valia graças à venda da sua escuderia de Formula 1, que lhe permitiu encaixar mais de 124 milhões de euros. A subida do volume de negócios deve-se particularmente ao ramo de vestuário, sob as marcas United Colors of Benetton, Sisley e Playlife, cujas vendas aumentaram 9,5% em valor e 8% em volume. Em compensação, a situação é «menos satisfatória para as vendas de equipamento desportivo, ramo que está actualmente em profunda fase de reorganização industrial e comercial», indicam os responsáveis do grupo. Desde a Primavera de 2002, a Benetton explora uma nova marca, The Hip Site, que propõe uma oferta completa para os adolescentes: vestuário, acessórios e cosméticos. Actualmente vendida ao interior de várias “megalojas” Benetton, onde têm os seus próprios “corners”, ela conta igualmente com uma loja da marca que abriu há algumas semanas em Trévise. No ano passado, o grupo investiu 311 milhões de euros para desenvolver as suas diferentes actividades, tendo o seu endividamento aumentado para 640 milhões de euros, contra 536 em 2000. Uma parte importante desta soma foi consagrada à aquisição de bens imobiliários, a fim de alargar a rede de pontos de venda. O grupo conta daqui para o futuro, com uma centena de “megalojas” em todo o mundo (um objectivo inicialmente previsto para o final de 2002) projectando atingir as 300 no fim de 2004. Entre as aberturas mais importantes realizadas em 2001 estão as de Paris, Kobé, de Osaka, de Londres, de Nova Iorque e de Lisboa, nos célebres armazéns do Ramiro Leão, no Chiado. Este ano, cerca de 200 milhões de euros serão de novo consagrados à aquisição de novas superfícies. Contando com 160 pontos de venda, a marca Playlife não será esquecida, prevendo-se a sua passagem para 200 unidades até no final do ano.